Um estudo realizado pelo Laboratório de Interação Virtual Humana, da Universidade de Stanford, chegou a algumas conclusões sobre o fato de reuniões virtuais por Zoom e outras plataformas serem mais cansativas que os encontros presenciais.

A pesquisa foi coordenada pelo professor Jeremy Bailenson e os resultados foram publicados em um artigo no Technology, Mind and Behavior no último dia 23 e conta com uma análise completa sobre as razões do transtorno que foi apelidado de “fadiga do Zoom” e encontrou quatro razões para ele.

publicidade

Muito contato visual

De acordo com Bailenson, a primeira razão é o fato de todo mundo estar olhando para você o tempo inteiro. Em uma reunião presencial, os participantes olham para quem conduz o encontro, para os slides ou até mesmo para o teto em um momento de distração. 

Porém, em uma reunião virtual existe a sensação de que todos estão olhando para você o tempo inteiro, algo que pode ser comparado ao estresse gerado por falar em público, porém, ampliada, já que isso acontece independente da pessoa estar falando ou não. 

Você vê você

A não ser que esteja em uma sala repleta de espelhos, as pessoas não veem a sua própria imagem em uma reunião presencial. Porém, o Zoom, o Google Meet, o Skype ou o Microsoft Teams permitem que seus usuários vejam sua própria imagem durante as conferências.

Bailenson, o ato de olhar para a própria imagem por um tempo prolongado acaba provocando um excesso de autoavaliação nos usuários o que pode gerar distrações e o que ele chama de “afeto negativo”.

Pessoas podem se sentir presas à tela em reuniões virtuais .Crédito: Insta_Photos/Shutterstock

Comunicação não-verbal

Em uma reunião presencial, os participantes podem piscar para um colega caso queiram passar alguma mensagem, por exemplo. Ou até mesmo fazer gestos mais simples, como balançar a cabeça quando concorda ou discorda do que foi dito por quem está comandando o encontro.

Em uma videoconferência, é necessário apertar um botão para “levantar a mão” e aguardar até o condutor te dar a palavra. Ou seja, qualquer movimento que seria simples em uma reunião presencial, precisa ser mais exagerada em encontros virtuais.

Sensação de prisão diante da tela

Quando se abre a câmera em uma videoconferência, é normal que as pessoas evitem até mesmo fazer movimentos bruscos, elas ficam paradas na frente da tela do computador e pouco se mexem durante a reunião.

Além disso, se vê as outras pessoas no encontro da mesma forma, e essa falta de movimento prejudica a cognição, já que nenhum participante da reunião vê ninguém abrindo uma janela ou derrubando uma caneta, por exemplo.

Desligar a câmera ou ocultar a própria imagem pode ajudar com a fadiga. Créditos: Shutterstock

Soluções possíveis

Mas além de listar os problemas, Jeremy Bailenson listou alguns gestos simples que podem ajudar a diminuir os efeitos da “fadiga do Zoom”, como não usar o modo tela cheia, reduzir ao mínimo a janela do aplicativo, e ficar afastado ao máximo da tela.

Bailenson também propõe ocultar a própria imagem, além de fazer anotações ou até mesmo rabiscos em um pedaço de papel. Outra dica é alterar os momentos com câmera aberta e câmera fechada, dando preferência a abrir apenas no momento em que se vai falar.

Via: New Atlas

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!