A SpaceX deve realizar nesta quarta-feira (17) um teste de disparo estático do mais novo protótipo da Starship, o SN11. Ele estava programado para a segunda-feira (15), mas foi cancelado nos últimos segundos.

Durante um disparo estático, a espaçonave é abastecida e seus propulsores são acionados por um breve período, com ela ainda presa ao solo. O teste serve como uma “checagem” do funcionamento de todo o sistema de ignição. Se for concluído com sucesso, é possível que a SpaceX tente realizar um voo da SN11 já neste fim de semana ou no início da próxima.

publicidade

Leia mais:

Após o voo da SN11, a SpaceX entrará em uma nova etapa do desenvolvimento da Starship, passando para os protótipos SN15, SN16 e SN17, bem como protótipos do foguete Falcon Super Heavy, que será usado para lançar a versão final da Starship, com modelos chamados de BN1 e BN2. Os protótipos SN12, SN13 e SN14 foram cancelados antes que sua construção fosse completada.

A empresa pretende realizar um voo orbital com a SN20 e o Falcon Heavy BN3 “até primeiro de julho”, mas o cumprimento desse cronograma depende do sucesso dos testes com os protótipos anteriores.

Produção agilizada

Na fabricação, a empresa vem demonstrando imensa agilidade, constantemente colocando um novo protótipo da Starship na plataforma de testes dias após o voo do modelo anterior.

Silhueta de dois protótipos da Starship contra o pôr do sol na base da SpaceX no Texas
Ritmo acelerado de produção permite que a SpaceX tenha dois protótipos da Starship em suas plataformas de teste simultaneamente. Imagem: SpaceX (CC-NY-NC 2.0)

A Starship SN10 foi o primeiro protótipo da espaçonave a completar seu teste com sucesso, subindo a uma altura de 10 km, pairando por 30 segundos e descendo “de barriga” até uma altitude de 2 km, quando se reorientou na posição vertical para o pouso.

Entretanto, baixa potência no propulsor Raptor usado durante a descida fez com que a SN11 atingisse o solo a uma velocidade de 40 km/h, esmagando as “pernas” usadas no pouso e parte da “saia” ao redor dos propulsores.

O impacto permitiu que chamas (visíveis durante o pouso) penetrassem um tanque de combustível, causando despressurização súbita e uma explosão que destruiu a espaçonave 15 minutos após o pouso. Segundo o CEO da SpaceX, Elon Musk, a SN11 terá “múltiplas correções” para evitar este problema.

Fonte: NasaSpaceFlight

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!