EnglishPortugueseSpanish

Um dos sintomas da Covid-19 que pode persistir mesmo após a doença ser curada é a perda do olfato. Até o momento, médicos vêm recorrendo a tratamentos com fisioterapia e medicações para tratar a chamada anosmia e recuperar o olfato. Ainda sim, a sequela persiste em muitos pacientes e uma cirurgia pode se necessária para corrigir o problema.

A técnica vai começar a ser testada em um hospital público de Aracaju, no Sergipe em uma pesquisa liderada pelo médico Ronaldo Carvalho Jr., professor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS). Os primeiros voluntários devem ser operados em abril, os cinco primeiros já foram selecionados.

publicidade

“Já há vários estudos na literatura internacional e nacional mostrando que 85% dos pacientes que têm Covid sintomática desenvolvem anosmia. Desses 85%, 30% vão ficar com uma hiposmia, que é não sentir os cheiros mais fortes, ou seja, ficam sem a mesma efetividade, e de 3% a 5% ficam com uma anosmia definitiva”, conta em entrevista para o jornal O Globo.

Recuperar olfato após Covid-19

O nome técnico do processo é transferência nervosa e o objetivo da operação é transferir para a mucosa do nariz novos nervos. Para isso, esses nervos devem ser retirados da perna.

Desenho da equipe médica (Imagem: Divulgação)

“O nervo funcionante que a gente vai utilizar é um nervo supraorbitrário, que é um ramo do nervo oftálmico. Como esse nervo supraorbitrário é muito pequeno, muito curtinho, ele não chega até o nariz, então temos que interpor uma ponte nervosa, ou seja, usar um outro nervo. Então a gente vai pegar um nervinho da perna do paciente, um nervo sural funcionante”, completa o médico.

Leia mais:

A cirurgia para recuperar o olfato após Covid-19 não deve deixar cicatriz pois utiliza equipamentos finos e usa a parte interna da narina. No entanto, o procedimento não é simples, pois envolve nervos, que são pequenos e delicados. A operação deve levar em torno de cinco a seis horas.

A retirada dos novos também deve causar uma sensação de dormência no pé, que deve passar com a sensibilidade sendo compensada por outros nervos da região. A recuperação do olfato também deve demorar um pouco, até o local voltar a ficar ativo.

“O resultado não é imediato, porque qualquer restabelecimento do epitélio nervoso demora um tempo. Nos casos operados por outras causas de anosmia, os pacientes começaram a ter resposta três meses depois. E, só seis meses após, se mostraram realmente satisfeitos com a cirurgia”, completa o especialista.

Via O Globo