EnglishPortugueseSpanish

O Governo Federal começou a pagar o novo Auxílio Emergencial na última terça-feira (6), mas muitos trabalhadores ainda não tiveram o recebimento confirmado e seguem com uma mensagem de “ainda em processamento” no app Caixa TEM, usado para consultar o benefício.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, idealizadora do aplicativo, a responsabilidade sobre os cadastros é do Dataprev, que seleciona quem deve receber o novo auxílio. Segundo o governo, ocorreu uma nova triagem dos cidadãos cadastrados no sistema para manter apenas quem realmente necessita do Auxílio Emergencial na volta do programa. Com a medida, 45 milhões devem receber o novo auxílio — cerca de 11 milhões de brasileiros cadastrados anteriormente no programa ficarão de fora.

publicidade

Leia mais!

Os trabalhadores que recebem o aviso de “ainda em processamento” ao consultarem o Auxílio Emergencial ainda podem receber o valor do benefício caso sejam aprovados. “Está passando por uma nova avaliação, realizada a partir das informações mais recentes disponíveis nas bases de dados governamentais”, explicou o Ministério da Cidadania, responsável pelo pagamento das parcelas, ao G1. Isso ocorre justamente porque houve uma mudança no número de beneficiários dessa vez.

Calendário e consulta

A primeira parcela para os nascidos em janeiro paga na terça-feira abrangeu um grupo com mais de 2,4 milhões de pessoas. Como este ano não foram abertos novos cadastros, só terá o benefício aqueles que tenham recebido também em 2020. (Veja o calendário).

Quem fizer a consulta para o novo Auxílio Emergencial e constar como inelegível (quem está como “ainda em processamento” precisa aguardar por enquanto), tem 10 dias para fazer a contestação no sistema. Para que a contestação seja processada, é necessário que haja uma atualização nos dados cadastrados no Dataprev, assim como acontecia com o auxílio pago ano passado.

Mensalmente também há uma avaliação do cadastro de quem recebe. Caso você já receba alguma parcela e futuramente haja um cancelamento, também é possível contestar nos mesmos moldes.

Via G1