Nos últimos anos, o “apetite” dos investidores tem se voltado para empresas que promovem ações sustentáveis, o que acompanha os objetivos da ONU de minimizar os impactos ambientais do planeta. E a Apple parece estar ligada nisso. Nesta quinta-feira (15), a gigante de Tim Cook anunciou um fundo de US$ 200 milhões para acelerar soluções naturais de combate às mudanças climáticas.

Intitulado de “Fundo de Restauração”, o fundo, lançado em parceria com a ONG Conservation International e o grupo financeiro Goldman Sachs, será usado para remover, pelo menos, um milhão de toneladas métricas de dióxido de carbono (CO2) anualmente na atmosfera — o equivalente à quantidade de combustível emitida por mais de 200 mil veículos.

publicidade

E além de ajudar o planeta, a medida pode indicar um modelo financeiro viável, fator que pode intensificar os investimentos em restauração florestal.

“Por meio da criação de um fundo que gere retorno financeiro e impactos reais e mensuráveis ​​do carbono, pretendemos promover uma mudança mais ampla no futuro — incentivando o investimento na remoção de carbono em todo o mundo. Nossa esperança é que outros compartilhem nossos objetivos e contribuam com seus recursos para apoiar e proteger ecossistemas críticos”, afirmou Lisa Jackson, vice-presidente de Meio Ambiente, Política e Iniciativas Sociais da Apple.

Imagem de floresta
Fundo será investido na restauração florestal de ambientes em todo o mundo. Foto: Keith Klosterman/Shutterstock

Leia mais:

Como florestas, pântanos e pastagens retiram o CO2 da atmosfera e o armazenam permanentemente em solos, raízes e galhos, a ideia da Apple é investir na restauração destes ambientes, já que a natureza se encarregará de fazer o resto.

As prioridades serão voltadas para florestas produtivas e reservatórios naturais. Inclusive, serão usados padrões internacionais de notoriedade para quantificar o nível de dióxido de carbono nos locais.

Sem contar os esforços da Apple, que vai liderar a iniciativa, a Conservation International vai garantir que os projetos atendam a padrões ambientais e sociais rígidos. Já a Goldman Sachs, por sua vez, será responsável por administrar o fundo.

A criação do fundo é mais um esforço da Apple para tornar-se neutra em carbono até 2030. Segundo a companhia, 75% desse objetivo deve ser concluído com a eliminação das emissões de sua cadeia de suprimentos e produtos até o prazo estipulado. Os outros 25% devem ser alcançados por meio do Fundo de Restauração.

Fonte: Apple