EnglishPortugueseSpanish

Cientistas do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC), na Espanha, descobriram uma nova super Terra que foi detectada na órbita de uma estrela anã vermelha. Estrelas desse tipo têm sido estudadas exaustivamente por conta da grande presença de exoplanetas ao seu redor. 

As estrelas anãs vermelhas possuem uma temperatura que varia entre 2.100°C e 3.400°C, o que é em torno de 1.700°C mais frio que o nosso Sol. A mais nova super Terra descoberta orbita a estrela anã GJ 740, que está situada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. 

publicidade

O planeta orbita sua estrela por 2,4 dias terrestres e sua massa é três vezes maior que a da Terra. Por conta da proximidade desta estrela do Sol e pelo fato da super Terra estar tão próxima de sua estrela, ela poderá ser objeto de pesquisas futuras com auxílio de telescópios de diâmetro muito grande até o fim desta década. 

“Este é o planeta com o segundo menor período orbital em torno deste tipo de estrela”, declarou o líder da pesquisa, Borja Toledo Padrón. “A massa e o período sugerem um planeta rochoso, com um raio de cerca de 1,4 raios terrestres, o que poderá ser confirmado em futuras observações com o satélite TESS”, completou o pesquisador. 

Segundo planeta

Ilustração do planeta Saturno
Cientistas também encontram planeta com massa próxima à de Saturno

Os dados coletados pela equipe de Padrón também sugerem a presença de um segundo planeta, este com período orbital de nove anos e massa próxima à de Saturno, que é equivalente a cerca de 100 vezes a da Terra. Porém, seu sinal de velocidade radial pode se dar por conta do ciclo magnético da estrela, que é semelhante ao do nosso Sol. 

Leia também: 

A missão Kepler, que é uma das mais bem-sucedidas na detecção e exoplanetas, já descobriu um total de 156 deles em torno de estrelas frias. Com o uso de seus dados, foi possível estimar que esse tipo de estrela abriga em média 2,5 planetas com períodos orbitais de 200 dias ou menos. 

“A busca por novos exoplanetas em torno de estrelas frias é impulsionada pela menor diferença entre a massa do planeta e a massa da estrela em comparação com estrelas em classes espectrais mais quentes”, comentou Borja Toledo Padrón. 

Com informações do Phys.org 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!