O YouTube removeu nesta sexta-feira (23) mais quatro vídeos do presidente Jair Bolsonaro por desinformação sobre a Covid-19. A plataforma alega que as publicações violam às “políticas de desinformação médica sobre a Covid“.

Nesta semana, um outro vídeo publicado por Bolsonaro já havia sido apagado da rede social pelo mesmo motivo. Todos são lives que o presidente faz nas redes sociais toda quinta-feira.

publicidade

Recentemente, o YouTube modificou suas políticas de uso para bloquear conteúdos que promovam o uso de medicamentos não indicados para o tratamento da Covid-19, como a hidroxicloroquina e a ivermectina, ambos já defendidos por Bolsonaro.

A rede social também diz que “não é permitido o envio de conteúdo que dissemine informações médicas incorretas que contrariem as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

No vídeo removido no começo da semana, publicado no YouTube em 14 de janeiro, Bolsonaro diz: “é a mesma coisa o tratamento precoce da COVID-19 com hidroxicloroquina, ivermectina, a tal da Annita, mais azitromicina, mais vitamina D. E não faz mal isso aí. E, se lá para a frente for comprovado que não faz surtir efeito, o que não vai acontecer porque, repito, neste prédio que eu estou aqui, mais de duzentas pessoas contraíram COVID, foram tratadas precocemente e nenhuma foi para o hospital”.

YouTube apaga vídeos de Bolsonaro

Em outro vídeo de 10 de dezembro, esse removido nesta sexta-feira do YouTube, Bolsonaro afirma: “O que que tem no hospital? O respirador. Salva gente? Salva gente, sim, salva gente, mas tem que se evitar aí o intubamento da pessoa. Evita-se como? Numa primeira fase, o tratamento, que é a tal da hidroxicloroquina, ivermectina e anitta, entre outras coisas, vitamina D, azitromicina. Hoje os médicos sabem disso, se o teu médico fala que não, você tem o direito de procurar outro médico”.

Leia mais:

“Se fosse esperar uma comprovação científica, teriam morrido quantas pessoas naquela Guerra do Pacífico, que não morreram. É a mesma coisa o tratamento precoce da Covid com hidroxicloroquina, com ivermectina, uma tal da anitta, mais azitromicina, mais vitamina D”, disse também em 14 de janeiro.

O YouTube ainda não pronunciou oficialmente sobre as remoções no canal do presidente. O governo federal também não comentou o caso. Ainda não há informação se outras publicações vão ser apagadas da plataforma.

Via G1