A operadora de telefonia norte-americana Verizon está analisando a venda de seus produtos de mídia — o que inclui marcas como Yahoo e AOL. Isso após repetidos prejuízos da área e uma mudança de rumo nos negócios do grupo, que vem procurando parcerias com empresas de streaming.

O processo de venda já conta com uma empresa envolvida — Apollo Global Management — e pode levar a ofertas entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões. O valor é consideravelmente abaixo do que originalmente pago pelo grupo de comunicação durante a aquisição, de US$ 9 bilhões. As informações são do Wall Street Journal.

publicidade

Leia mais

Montagem de logomarcas da Verizon posiciona de um lado Yahoo e AOL, e do outro, a Oath.
As plataformas Yahoo e AOL, adquiridas pela Verizon, foram posicionadas sob a Oath. Imagem: Getty Images/Reprodução

Entre 2015 e 2017, a Verizon despendeu bilhões para comprar a AOL e o Yahoo. Ambas as plataformas estavam em sério prejuízo, mas ainda traziam números consistentes de usuários únicos, o que levou a Verizon a reorganizá-las sob o guarda-chuva “Oath”. A marca foi criada pela empresa para competir com nomes como Google e Facebook no ramo de publicidade digital. O plano não funcionou.

A Verizon tinha como objetivo fazer ambos os sites renderem US$ 10 bilhões em faturamento por ano até 2020, mas em 2018, a companhia já registrava perdas na casa dos US$ 4,5 bilhões. Depois de demissões, cortes e reestruturações, a Verizon optou por vender propriedades ligadas à Oath: na época, o portal Huffington Post foi comprado pela Buzzfeed Incorporated enquanto, em 2019, foi a vez do Tumblr ser vendido à Automattic, dona do WordPress.

As plataformas — que incluem produtos como Techcrunch, Engadget, Yahoo Finanças e Yahoo Mail — geraram “apenas” US$ 7 bilhões em receita em 2020, uma queda de 5,6% em relação ao ano anterior, cortesia de uma fuga de anunciantes causada pela pandemia da Covid-19.

Ainda que os dois últimos trimestres de 2020 tenham representado uma reversão favorável — 10% de aumento, fechando em US$ 1,9 bilhão –parcerias feitas pela Verizon com empresas de streaming como Disney+ e Hulu, bem como a mudança de foco do consumidor (que migrou do desktop para o smartphone), colocaram as propriedades de publicidade digital em segundo plano.

Com a Verizon possivelmente vendendo a AOL, Yahoo e outras propriedades de mídia, ela ficaria mais confortável ao tentar recuperar o dinheiro investido no desenvolvimento de sua estrutura de telefonia nos EUA, que abraçou o 5G. Segundo o que disse a investidores, a empresa gastou aproximados US$ 21,5 bilhões em equipamentos de telefonia, rádio e comunicação.

A Verizon não comentou a reportagem.

Fonte: Wall Street Journal