Pode até não ter muita sujeira no espaço, mas os astronautas que fazem da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) sua casa precisam arrumar a casa. A rotina de limpeza no laboratório na órbita da Terra é bem rigorosa, para manter micróbios sob controle.

Geralmente lá em cima, o dia da faxina é o sábado. Todas as superfícies são desinfetadas e a poeira removida. Os procedimentos de limpeza foram mostrados pelo astronauta francês Thomas Pesquet, da Agência Espacial Europeia (ESA).

publicidade

Leia mais:

Aniversário do astronauta Victor Glover na estação espacial internacional
Os astronautas também comemoram aniversário no espaço. Imagem: ESA/NASA–T. Pesquet

Mesmo distantes da Covid-19, eles mantém o cuidado com o vírus, seja nos equipamentos já a bordo ou com o que chega na estação. Lá, não há espaço para falta de higiene. “Nós temos que desinfetar semanalmente todas as superfícies que tocamos”, disse Pesquet.

Nada do que eles usam é muito estranho. Em um vídeo gravado para mostrar parte da rotina, o astronauta francês utiliza um simples aspirador de pó. “Nós temos um monte de medidas na estação espacial que são similares aquelas que podemos achar em hospitais e aeroportos, designadas para prevenir a propagação de bactérias”, emendou.

Confira a limpeza da Estação Espacial Internacional

Antes de Pesquet, a astronauta italiana Samantha Cristoforetti já havia falado sobre as faxinas espaciais. Ela passou quase 200 dias na ISS, entre 2014 e 2015, e contou sobre o uso de lenços desinfetantes em corrimãos, microfones de mão, computadores e, basicamente, tudo o que os tripulantes tocarem, para minimizar o rastro de bactérias.

“Os módulos mais difíceis de limpar são certamente o Node 3, onde temos o banheiro e os aparelhos de exercícios, e o Node 1, onde nós comemos”, escreveu a astronauta em um post na internet. Segundo Cristoforetti, os tripulantes se revezam na limpeza dos módulos mais difíceis.

Ela relatou ainda que os astronautas precisam aspirar as grades de ventilação, que podem ficar muito sujas. “Todos os pequenos detritos de flutuam na cabine são levados pelo fluxo de ar para uma grade de retorno”, continuou Cristoforetti. Com essa grade bloqueada, mecanismos de remoção de dióxido de carbono da estação podem ser prejudicados, tornando o ar interno impróprio.

As agências espaciais estudam materiais avançados para dar mais segurança a futuras viagens espaciais. Esses materiais poderão ser usados também na Terra, protegendo maçanetas, botões de elevadores e outros objetos frequentemente tocados por diversas pessoas.

Via: Space

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!