“Quem tem uma doença autoimune deve consultar seu médico para saber se pode tomar a vacina contra a Covid-19”, afirma o médico e cientista Drauzio Varella. Nesse grupo de enfermidades, está incluso o lúpus eritematoso sistêmico, que pode afetar múltiplos órgãos e tecidos, como pele, articulações, rins, cérebro e outros órgãos, causando fadiga, febre e dor nas articulações. Nesta segunda-feira (10) é celebrado o Dia Mundial do Lúpus.

Além do lúpus, outros problemas, como artrite reumatoide e psoríase, também fazem necessário o uso de remédios imunossupressores. São justamente medicamentos com essa função que levantam a dúvida quanto à segurança em se tomar vacina contra a Covid-19.

publicidade

“Na verdade, a questão surge porque, ao mesmo tempo em que as vacinas e seus reforços seriam essenciais para reduzir o risco de contaminação desses pacientes, o objetivo de uma vacina é provocar o sistema imunológico a produzir anticorpos para se defender contra algum agente infeccioso”, explica o médico.

Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica autoimune, que causa efeitos em vários órgãos do corpo, especialmente na pele, articulações, sangue, rins e sistema nervoso central. / Imagem: Ratchaneekorn – Shutterstock

Decisão deve ser individual e compartilhada entre médico e paciente

Mas, se o sistema imune está parcialmente comprometido, como é o caso dos pacientes autoimunes, as doses irão gerar resposta adequada?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), a decisão de vacinação deve ser individual e compartilhada entre o médico e paciente, tendo em vista que portadores dessas enfermidades podem apresentar desregulação imune por causa da doença e imunossupressão devido ao tratamento.

Leia mais:

Outros fatores a serem considerados são a faixa etária do paciente e eventuais comorbidades, como cardiopatias, diabetes, hipertensão arterial, obesidade, doença renal crônica e doença pulmonar obstrutiva crônica, que são relacionadas a um maior risco de internação e mortes pelo coronavírus.

Para esses pacientes, a SBR recomenda que a vacinação aconteça quando a doença está estável ou em remissão. Além disso, o paciente deve estar sem ou com baixo grau de imunossupressão. “Entretanto, o médico pode discutir com o paciente o momento para a imunização, considerando a situação epidemiológica da região e o enquadramento do paciente nos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde”, afirma Varella.

Fonte: Drauzio Varella

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!