O Zhurong, primeiro rover chinês a pousar em Marte, deve começar seus trabalhos no planeta vermelho no próximo fim de semana. O cronograma é baseado em um cenário ideal, que não dá margem para nenhum tipo de imprevisto. O robô de seis rodas, que é parte da missão Tianwen-1, fez seu pouso na última sexta-feira (14).

Antes de suas primeiras atividades, o Zhurong passará os primeiros oito dias na superfície de Marte estudando seus arredores e verificando seus próprios sistemas e instrumentos. Caso tudo siga como o planejado, o rover vai rolar pelas rampas do seu módulo de pouso e tocar o solo marciano pela primeira vez entre sexta-feira (21) e sábado (22).

publicidade

Até o momento, o Zhurong ainda não enviou nenhuma imagem de Marte, mas isso deve mudar em breve. O companheiro de viagem do rover, o satélite Tianwen-1, levava em média 48 horas para dar uma volta completa ao redor do planeta vermelho. Contudo, ele foi manobrado para uma órbita mais baixa, diminuindo esse tempo para 8,2 horas, o que é propício para o envio de grandes volumes de dados para a Terra.

A missão Tianwen-1 foi lançada oficialmente em 23 de julho do ano passado, apenas quatro dias após o lançamento do satélite Hope, dos Emirados Árabes Unidos. A decolagem dos chineses se deu apenas uma semana antes do lançamento do rover Perseverance, da Nasa, iniciar sua viagem.

A missão chinesa chegou à órbita de Marte no último dia 10 de fevereiro e suas duas espaçonaves seguiram juntas até a última sexta-feira (14), quando o satélite finalmente se separou da plataforma de pouso e o rover enfrentou a angustiante descida para a atmosfera de Marte. A principal tarefa do rover será estudar o solo marciano, capturar rochas e buscar por gelo.

Enquanto a missão do rover Zhurong deve ter uma duração de 90 dias terrestres, o satélite deve passar um ano marciano na órbita do planeta vermelho, o que representa 687 dias aqui na Terra. O satélite é mais que uma estação retransmissora, já que está equipado com uma câmera de altíssima resolução para conduzir investigações de mineralogia.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!