Nos Estados Unidos, milhares de pessoas procuraram atendimento médico para cuidar de novos problemas de saúde, ou seja, que não tinham antes de serem diagnosticados e infectadas com a Covid-19. A informação é de acordo com o maior estudo até o momento sobre sintomas a longo prazo em pacientes com coronavírus, chamado “pós-Covid”.

Ao rastrear os registros de seguro de saúde de quase 2 milhões de norte-americanos que contraíram o coronavírus em 2020, a pesquisa descobriu que um mês ou mais após a infecção, quase 23% deles procuraram tratamento médico para novas doenças.

publicidade

A pesquisa analisou registros de pessoas com diagnóstico de Covid-19 entre fevereiro e dezembro de 2020, até fevereiro de 2021. Com isso, constataram que 454.477 pessoas consultaram profissionais de saúde para sintomas 30 dias ou mais após a infecção. A FAIR Health informou que a análise foi avaliada por um revisor acadêmico só que não foi formalmente revisada por pares.

Os novos problemas de saúde mais comuns eram: dores nos nervos e músculos; dificuldades respiratórias; colesterol alto; mal-estar e fadiga; e hipertensão. Outros problemas incluíram sintomas intestinais; enxaquecas; problemas de pele; anormalidades cardíacas; distúrbios do sono; e condições de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Inclusive, os problemas de saúde pós-Covid-19 eram comuns entre as pessoas que não adoeceram gravemente com o vírus. Enquanto cerca da. metade dos pacientes hospitalizados por Covid-19 tiveram problemas médicos subsequentes, e isso ocorreu com 27% das pessoas que apresentaram sintomas leves ou moderados e 19% das pessoas que se disseram assintomáticas.

“Uma coisa que nos surpreendeu foi a grande porcentagem de pacientes assintomáticos que estão nessa categoria de Covid longa”, explicou Robin Gelburd, presidente da FAIR Health, que é uma organização sem fins lucrativos que conduziu o estudo com base no que afirma ser o maior banco de dados de reclamações de seguros privados de saúde do país.

Sendo que mais da metade dos 1.959.982 pacientes não relataram sintomas de infecção por Covid-19. Em média, 40% apresentavam sintomas, mas não exigiam hospitalização, incluindo 1% cujo único sintoma era a perda do paladar ou do olfato; apenas 5% foram hospitalizados.

Além de que Gelburd disse que é importante enfatizar o fato de que pessoas assintomáticas podem ter sintomas pós-Covid, para que os pacientes e médicos possam saber e considerar a possibilidade de que alguns problemas de saúde possam realmente ser consequências do coronavírus.

O relatório “deixa claro que a Covid longa pode afetar quase todos os sistemas de órgãos”, disse Ziyad Al-Aly, chefe do serviço de pesquisa e desenvolvimento do VA St. Louis Health Care System, também não envolvido no novo estudo.

Ilustração do vírus responsável pela Covid-19
Imagem: ThSucho/Shutterstock

Sintomas pós-Covid-19

Os sintomas mais comum para o qual os pacientes procuraram atendimento médico foi a dor relatado por mais de 5% dos pacientes ou quase 100 mil pessoas, sendo que um quinto daqueles que relataram problemas após contrair o novo coronavírus. Dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar, foram experimentadas por 3,5% dos pacientes.

Quase 3% dos pacientes procuraram tratamento para sintomas que foram rotulados com códigos de diagnóstico para mal-estar e fadiga, uma categoria de longo alcance que poderia incluir problemas como névoa cerebral e exaustão que piora após atividade física ou mental – efeitos que foram relatados por muitos pessoas com Covid-19 longa.

Outros novos problemas para os pacientes, especialmente adultos na faixa dos 40 e 50 anos, incluíram colesterol alto, diagnosticado em 3% de todos os pacientes, e hipertensão, diagnosticada em 2,4%, disse o relatório. Houveram poucas mortes, um total de 594 e ocorreram 30 dias ou mais pós-coronavírus, e a maioria ocorreu entre pessoas que foram hospitalizadas por causa da infecção pela doença, constatou o relatório.

Leia mais:

Estrutura do estudo

A pesquisa abordou apenas alguns aspectos do cenário pós-Covid e não disse quando os sintomas dos pacientes surgiram ou por quanto tempo os problemas persistiram. Também não avaliou exatamente quando após a infecção os pacientes procuraram ajuda médica, apenas que foi 30 dias ou mais.

Também é possível que algumas pessoas classificadas como tendo infecções assintomáticas por coronavírus desenvolveram sintomas após o teste ser positivo. E algumas pessoas que receberam o primeiro diagnóstico de um problema médico como hipertensão ou colesterol alto pós-Covid podem ter tido esses problemas anteriormente, mas nunca procuraram ou receberam tratamento.

Outra limitação do estudo é que ele não comparou pessoas que tinham Covid-19 com aquelas que não tinham, portanto, não fica claro se as taxas de sintomas após contrair o vírus eram maiores do que em uma população mais geral. No geral, disseram os especialistas, as descobertas do relatório ressaltam a natureza ampla e variada dos sintomas pós-Covid.

Fonte: O Globo

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!