A vida dos astronautas não é fácil. Além de reciclar a própria urina para obter água potável e usar fraldas durante caminhadas espaciais, os tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS) têm de reutilizar as mesmas roupas múltiplas vezes, já que não existe uma forma de “lavar roupas” em órbita. 

Mas isso pode mudar em breve, se depender de uma iniciativa da fabricante Procter & Gamble. A empresa anunciou o desenvolvimento uma versão do sabão para roupas Tide (conhecido aqui no Brasil com o nome de Ace) para uso no espaço.

publicidade

O produto será totalmente degradável, e deverá lidar com manchas e odores mesmo em um sistema de “loop fechado” como o usado na ISS, onde cada gota de água é reutilizada.

Leia mais:

Ele será testado à bordo da estação em 2012 na “Missão PGTide”, que analisará a estabilidade de seus ingredientes no espaço. Também será testada a eficácia de outros produtos da marca, como lenços e canetas para remoção de pequenas manchas.

Outros estudos testarão a possibilidade de uso de uma combinação de lavadora e secadora em missões de longo prazo, como viagens à Marte. Se funcionar como esperado, a tecnologia poderá até ajudar a Nasa e empresas como a SpaceX a economizar: menos roupas a bordo de um foguete significam menor peso, o que significa uma redução na quantidade de combustível utilizada por um foguete e, consequentemente, no custo da missão.

As roupas utilizadas pelos astronautas no dia a dia tem de ser reutilizadas várias vezes, pois não há como lavar roupas no espaço. Imagem: Nasa

Geladeiras em órbita

Os astronautas à bordo da ISS não tem uma lavadora, mas recentemente receberam outros eletrodomésticos bastante comuns aqui na Terra: suas primeiras geladeiras. Elas são chamadas de FRIDGE, que além da palavra “geladeira” em inglês também é uma sigla para Freezer Refrigerator Incubator Device for Galley and Experimentation (algo como Dispositivo Incubador, Refrigerador e Congelador para a Cozinha e Experimentação).

Oito delas foram desenvolvidas pela BioServe Space Tecnologies na Universidade do Colorado em Boulder, e têm o tamanho de um forno de microondas. Duas serão reservadas exclusivamente para alimentos e medicamentos. As outras seis serão usadas apenas para experimentos científicos, na refrigeração de materiais que são sensíveis à temperatura.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!