Um novo estudo realizado por pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital examinou as associações entre mobilidade de riqueza e saúde cardiovascular no período do longo prazo. A pesquisa usou a metodologia do campo da economia para analisar as mudanças longitudinais na riqueza.

Os resultados da equipe indicam que a mobilidade negativa da riqueza está associada a um risco aumentado de eventos cardiovasculares, enquanto as mudanças positivas da riqueza estão associadas a uma diminuição do risco de eventos cardiovasculares.

publicidade

“A baixa riqueza é um fator de risco que pode mudar dinamicamente ao longo da vida de uma pessoa e pode influenciar o estado de saúde cardiovascular de uma pessoa”, comentou Muthiah Vaduganathan, da Divisão de Medicina Cardiovascular da Brigham. 

O estudo retrospectivo aproveitou os dados do RAND Health and Retirement Study (HRS) e por mais que os dados patrimoniais sejam raramente categorizados na maioria dos estudos, o HRS capturou exclusivamente informações detalhadas sobre habitação (residência principal, hipotecas, empréstimos imobiliários e muito mais) e não habitacionais (veículos, empresas, ações, fundos mútuos, contas correntes e de poupança e muito mais) ) riqueza em várias entrevistas. 

Com isso, a pesquisa examinou 5.579 adultos com 50 anos ou mais sem problemas de saúde cardiovascular no início do estudo. Entre janeiro de 1992 e dezembro de 2016, a equipe de pesquisa do HRS coletou dados por meio de entrevistas com os participantes sobre quaisquer novos diagnósticos recebidos em termos de saúde geral. Para participantes falecidos, parentes mais próximos foram entrevistados e o Índice Nacional de Mortes foi consultado para informações adicionais.

“Renda e riqueza, embora talvez usadas de forma informal de forma intercambiável, na verdade fornecem perspectivas diferentes e complementares”, afirmou Sara Machado, economista do Departamento de Política de Saúde da London School of Economics. 

Leia mais:

Ela justificou que “a renda reflete o dinheiro recebido regularmente, enquanto a riqueza é mais holística, abrangendo ativos e dívidas. O pagamento de dívidas com um grande aumento relativo de riqueza seria importante para promover a saúde cardiovascular, mesmo sem mudanças na renda?”

Portanto, a mobilidade de riqueza para cima foi definida como um aumento de pelo menos um quintil de riqueza e, da mesma forma, a mobilidade de riqueza para baixo foi definida como uma diminuição de pelo menos um quintil em relação aos pares de idade semelhante. 

Os participantes que estavam no mesmo quintil de riqueza entre as entrevistas foram classificados como possuindo riqueza estável. Ao todo, um aumento da riqueza foi associado à proteção contra doenças cardiovasculares e uma diminuição da riqueza foi associada ao risco cardiovascular.

“Reduções na riqueza estão associadas a mais estresse, menos comportamentos saudáveis ​​e menos tempo de lazer, todos associados a uma pior saúde cardiovascular”, pontuou Andrew Sumarsono, médico da Divisão de Medicina Hospitalar da University of Texas Southwestern. 

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!