A Nasa anunciou a escolha de três empresas para projetar um novo sistema de propulsão termonuclear para suas missões futuras. Segundo comunicado publicado no site oficial da agência espacial americana, as companhias escolhidas foram a BWX Technologies, a General Atomics Electromagnetic Systems e a Ultra Safe Nuclear Technologies.

Os contratos da Nasa valem para três propostas de propulsão termonuclear enviadas pelas companhias, oferecendo a elas a construção de reatores conceituais, que servirão como propulsão para foguetes em missões futuras. O desenvolvimento da tecnologia terá supervisão do Laboratório Nacional de Idaho (INL), ligado ao Departamento de Energia (DOE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

publicidade

Leia também

Imagem divulgada pela Nasa mostra conceito de nave que usa propulsão termonuclear. A ilustração mostra uma embarcação alongada, na vertical, com detalhes dourados na antena e ao longo do corpo. No fundo, parte do planeta Terra está visível
Nasa quer aplicar a propulsão termonuclear em missões futuras, ampliando sua capacidade de exploração do espaço e eliminando a necessidade de combustíveis químicos. Imagem: Nasa/Divulgação

“Ao trabalhar em conjunto com o governo e a indústria privada, os Estados Unidos estão avançando na propulsão nuclear espacial”, disse Jim Reuter, administrador associado da Diretoria de Tecnologia de Missões Espaciais da Nasa. “Esses contratos de design são um importante passo rumo a um reator de tecnologia tangível, que poderá, um dia, impulsionar novas missões e empolgantes descobertas”.

“O INL está muito feliz em permitir o desenvolvimento da tecnologia nuclear de propulsão para uso potencial em futuras missões de exploração da Nasa”, disse o doutor Stephen Johnson, diretor técnico nacional de energia nuclear espacial e diretor da divisão de Tecnologias e Isótopos de Energia Nuclear Espacial no INL.

“Nossos laboratórios nacionais, trabalhando em parceria com a indústria, trazem expertise inigualável e capacidades de ajudar a Nasa na solução de desafios altamente complexos que venham da energia nuclear e propulsão”, completou

A energia nuclear já vem sendo implementada aos poucos pela Nasa, como forma de reduzir a necessidade de componentes químicos para combustível de foguetes e outras embarcações espaciais. Paralelo ao reator, a agência também tem um projeto para levar energia obtida por fissão nuclear para uso em estruturas instaladas na Lua e em Marte. Esse também é um projeto que passará por licitação em parceria com o DOE e o INL, mas ainda não há data para isso.

Sobre o projeto atual, ao final dos prazos estipulados nos contratos, o INL vai conduzir revisões técnicas das tecnologias conceitualizadas e listar recomendações à Nasa, que usará as informações para estabelecer a base para o uso da tecnologia no futuro.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!