Com o objetivo de incentivar casamentos “saudáveis”, a República Islâmica autoriza em seu território apenas o uso de um único aplicativo de namoro: o Hamdan. De acordo com a televisão estatal do Irã, o “Tinder do islamismo”, que respeita a lei e a tradição islâmica, faz parte de um projeto das autoridades iranianas para facilitar “casamentos duradouros e conscientes” e tentar conter a “influência dos valores estrangeiros”.

Leia mais:

publicidade

Hamdan significa “companheiro”, em português. Segundo o chefe de polícia responsável pela segurança cibernética, coronel Ali-Mohammad Rajabi, o aplicativo foi lançado também com o intuito de enfrentar a queda no número de nascimentos e a crescente taxa de divórcios no país. 

Tinder do islamismo, Hamdan é o único app de relacionamento permitido na República Islâmica. Imagem: Captura de tela Google Play Store

Aplicativo Hamdan envolve famílias e acompanha casais durante quatro anos

Um dos idealizadores do projeto, cujo registo é gratuito, afirmou que “a família é o alvo dos ataques do Diabo, e o Hamdan chegou para ajudar a fundar famílias saudáveis”. O app tem regras diferentes das demais plataformas de relacionamento. Uma delas é que, quando dois jovens se conhecem, as suas famílias são automaticamente envolvidas no processo.

Ao utilizar “inteligência artificial” para combinar “apenas pessoas solteiras em busca de casamento permanente”, o Hamdan permite verificar a identidade dos usuários, que devem ser submetidos a um teste psicológico antes de poderem se conectar com potenciais parceiros. 

Quando acontece um “match” (compatibilidade entre dois perfis), o aplicativo “coloca as famílias em contato, na presença de consultores” e promete acompanhar os futuros casais ao longo dos primeiros quatro anos de casamento.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!