Presente na maioria das telas e nas lâmpadas LED, está um material que, embora não seja tão conhecido como o silício, vem assumindo o protagonismo em muitos dos lugares em que o famoso mineral antes reinava supremo: o gálio. De antenas a carregamento de baterias, passando por outros sistemas de conversão de energia conhecidos como “eletrônica de potência”, esse subproduto da extração do alumínio de rochas tem ganhado grande importância.

Segundo o The Wall Street Journal, o gálio possibilita uma surpreendente gama de novas tecnologias, como carregamento mais rápido de celulares, veículos elétricos mais leves e centros de dados mais eficientes em termos de energia que executam os serviços e aplicativos que usamos.

publicidade

O gálio derrete facilmente, devido à sua baixa temperatura de fusão. Imagem: e_rik – Shutterstock

O gálio tem uma temperatura de fusão tão baixa que se transforma em uma gosma prateada quando segurado na mão. Por si só, pode não ter grande utilidade, mas, combinado com nitrogênio, para fazer nitreto de gálio (GaN), ele se torna um cristal duro com propriedades valiosas. 

Nitreto de gálio permite carregamento simultâneo de celulares e outros gadgets

Ele aparece em sensores a laser usados ​​em muitos carros autônomos, antenas que permitem redes Wi-Fi de celulares rápidas atuais e, cada vez mais, em eletrônicos essenciais para tornar mais eficiente a coleta de energia renovável.

Carregadores USB-C, com nitreto de gálio em sua composição, são capazes de gerar energia mais rapidamente. Imagem: ninefotostudio – Shutterstock

Hoje, é possível comprar pequenos carregadores USB-C, com nitreto de gálio em sua composição, que geram energia suficiente para alimentar um laptop, um telefone e um tablet simultaneamente.

Leia mais:

Semicondutor é apresentado como a nova revolução na eletrônica de potência

Esse semicondutor está sendo apresentado como a nova revolução na eletrônica de potência desde o surgimento do MOSFET (acrônimo de Metal Oxide Semiconductor Field Effect Transistor, ou, em tradução livre: transistor de efeito de campo metal – óxido – semicondutor). 

Isso se deve às suas características de reduzidas perdas em comutação, o que permite aumentar consideravelmente a frequência de comutação dos conversores. Este aumento da frequência de comutação permite reduzir o volume e peso dos conversores eletrônicos.

Eletrônica de potência que converte um nível de tensão em outro também é fundamental para muitos aspectos dos veículos elétricos. “Eles são menores, mais leves, mais eficientes e emitem menos calor, então podem viajar mais longe com uma carga”, diz Jim Witham, presidente-executivo da fabricante de chips GaN Systems. 

“Essas propriedades também são ótimas para extrair significativamente mais eletricidade de fontes de energia renováveis, como painéis solares”, acrescenta. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!