Antes de mais nada, saiba que o jornalista aqui pode soar injusto. Veja bem: ‘Arcadegeddon‘ foi mostrado no State of Play de julho e, logo em seguida, ficou disponível na PS Store para PlayStation 5 (PS5), mas em Early Access (Acesso Antecipado) e com previsão de lançamento somente para 2022. Para a surpresa de muitos (e a minha), o game da Illfonic (‘Predator: Hunting Grounds’, ‘Friday the 13th’) é uma grata surpresa com muito potencial… e apenas isso. Em 12 meses, muitas melhorias podem ocorrer para acrescentar detalhes a um universo hightech e colorido que homenageia os arcades, todavia a pergunta que fica é: como dissertar sobre um título que não está completo?

Lodo de cara, já aviso: o jogo é repetitivo, há pontos a serem melhorados, não há localização para nosso idioma, variedade de monstros, cenários e minigames limitadas, e, acima de tudo, é pago. Se tudo ainda não te desinteressou, ótimo, pois estamos lidando com um título que pode vir a ser o futuro “queridinho” dos fãs de co-op.

publicidade
review arcadeggedon
O que falar sobre ‘Arcadeggedon’? – Imagem: Illfonic/Reprodução

Como o próprio nome já indica, a ideia de ‘Arcadeggedon’ é mesclar a fórmula arcade com o armageddon, ou o “fim dos tempos”. Na trama, os jogadores assumem um personagem customizável que entra no mundo virtual de um fliperama gigante e renomada para deter uma megacorporação maligna. E é isso – não que seja ruim, mas há quem não irá gostar.

O game da Illfonic deixa a narrativa de lado e simplifica tudo com a premissa de “salve o mundo”. É quase o estilo de ‘Destiny’, sabe? Quando os jogadores vão para A Torre, conversam com personagens não jogáveis para receber tarefas e escolhem os planetas para cumprir as tasks. É quase a mesma coisa.

Para quem não sabe – e se eu estiver falando algo muito cringe -, os jogos arcades são aqueles dos antigos fliperamas que, bem, “não tinham um fim”. A jogabilidade era linear e não havia um ponto final para acabar – talvez alguns, com o investimento de muitas horas e fichas -, ou seja: jogue até o game over. Em ‘Arcadegeddon’, a proposta é justamente essa e de certa forma entretém: mesclar o antigo conceito de ‘aproveite e resista até que não tenha mais opções” com aspectos de modernidade, trazendo pontos similares ao ‘Fortnite’, ‘Borderlands’ e (pasmem) ‘Returnal’, junto a um horizonte amplo pela frente.

review arcadeggedon
‘Arcadegeddon’ é co-op para atrair jogadores da velha e da nova era. Imagem: Illfonic/Reprodução

‘Arcadegeddon’ pode ser jogado sozinho ou em até três pessoas, e a dificuldade acompanha o número de jogadores. No entanto, a inteligência artificial do título, ao menos na versão de “acesso antecipado”, entende que complicar as coisas para os jogadores quer dizer “mais inimigos”. Por exemplo, em uma partida sozinho, você enfrenta “x” inimigos em um bioma; em dupla, o número será “y” e em trio será “z”, mas o nível de desafio se mantém o mesmo, seja single ou co-op.

A gameplay em meio aos vários biomas/mapas futuristas, pós-apocalípticos, aquáticos e espaciais, seja de maneira solo ou em grupo, ocorre dá seguinte maneira: ao sair do lobby para a ação, o jogador deve seguir rumo ao ponto marcado na tela. Até alcançar este ponto, claro, muitos inimigos irão aparecer e, quando alcançá-lo, finalmente o jogo começa de verdade, pois é quando os objetivos aparecem.

As missões não variam muito de mapa para mapa, mas há diferenças: em algum momento, ‘Arcadegeddon’ pode pedir que você destrua pontos da área, ou mesmo que defenda o espaço dos ataques inimigos. Outros objetivos envolvem exploração ou mesmo o clássico “vá de um ponto para o outro até onde for possível”.

review arcadeggedon
Co-op arcade! Vá a um ponto para começar o jogo de verdade em ‘Arcadeggedon’. Imagem: Illfonic/Reprodução

Agora sim com ambientes mais desafiadores e monstros (repetidos) mais fortes, o jogador avança para um checkpoint. Em seguida, mais uma série de objetivos e o fim do mapa… ou não. Após o cumprimento da missão, se inicia a “Dificuldade 2” e, assim por diante, vai avançando, assim como sua pontuação e a dificuldade, fazendo com que seja cada vez mais complicado se manter vivo. É bom lembrar: a partida só acaba ao morrer ou quando o jogador decide encerrá-la.

À primeira vista (e por todos os fatores de early access), ‘Arcadeggedon’ pode parecer pouco atrativo, mas a verdade é que o gameplay chama a atenção com habilidades, loots espalhados pelos mapas, inimigos e armas variadas (são 30, ao todo), como um lança-serras capaz de fatiar robôs ou uma shotgun que pode congelar alvos. Ah, e temos chefões, e esses são bem difíceis e o mais surpreendente é que eles surgem de forma aleatória nas partidas, dando ao jogador uma faca de dois gumes: morra na batalha e termine o progresso ou derrote-o para ganhar muitas recompensas, como pontos, upgrades e etc.

As recompensas das partidas servem para adquirir itens, como novas missões, skins e habilidades. Assim que o jogador concluir a missão principal, há a opção de encerrar a partida ou continuar em uma disputa pela liderança dos placares. A ideia é boa, admito, visto que o marketing inicial de ‘Arcadeggedon’ gira em torno de uma experiência tanto solo quanto co-op. Então, caso queira sair fora daquela run, o player pode voltar ao lobby, entregar as missões, pegar novas e recomeçar, sem ficar se preocupando com rankings e etc.

Vá sozinho ou com amigos! ‘Arcadeggedon’ quer ser experiência aberta para todos. Imagem: Illfonic/Reprodução

Porém, sendo sincero, ‘Arcadegeddon’ é uma experiência mais divertida ao ser jogada acompanhada. O game até conta com jogadores aleatórios, mas com os amigos pode ser muito mais divertido – e mais desafiador, visto que há opções de minigames PvP e maior número de inimigos frenéticos no bioma em questão. Ainda é bom destacar que recompensas são melhores quando jogado de forma co-op.

A imersão dentro do jogo também é algo a ser elogiada. Além da estética futurista punk alternative – que não só é bem-feita, e chama a atenção não nas cutscenes, mas sim em meio ao gameplay – a experiência com o controle DualSense é, mais uma vez, perfeita. Todas as armas apresentam variações nos gatilhos adaptáveis, desde armas leves, metralhadoras pesadas, até pistolas a laser – que causam uma vibração bem agoniante, mas diferente, algo bem similar a ‘Returnal’. Um terceiro ponto é que não presenciei nenhum bug durante a jogatina e todos os momentos de combate ocorreram sem queda evidente de qualidade.

Por último, e como é tendência atualmente nos títulos multiplayer, ‘Arcadeggedon’ tem grandes opções para se customizar tudo: desde o personagem até armas, gestos, roupas, cabelos, expressão facial, até a cor da sua pistola favorita. E como conseguir itens do tipo? Com os “aliados”. No lobby inicial, antes de entrar num partir, esses NPCs oferecem desafios pontuais/diários que quando cumpridos, há bonificação para alterar o estilo do seu personagem.

Customização de armas, personagens e imersão em ‘Arcadeggedon’ são pontos legais a serem destacados. Imagem: Illfonic/Reprodução

‘Arcadegeddon’ não vale a pena, ao menos por ora

‘Arcadegeddon’ tem limitações que precisam de ajustes. Há poucas opções de armas, habilidades e skins, e mesmo com a proposta diferenciada, futurística e frenética, não vale a pena ao jogador brasileiro gastar R$ 105 numa prévia. E afirmo isso não somente pelos pontos em que tenho certeza de que a Illfonic irá trabalhar nos próximos 12 meses, mas também pelo cenário ao redor: nem todos os jogadores tem PS5s ou bons PCs (sim, o game chegará para Steam) neste momento para poderem imergir em um jogo co-op deste nível. E verdade seja dita, a proposta solo não agrada o suficiente para que valha a pena o investimento.

Claro, é importante aguardar a versão final. O título tem potencial demais e, como disse antes, pode vir a ser um queridinho em um futuro próximo. A versão early access trouxe boas perspectivas. Portanto, guarde seu dinheiro, por ora, e observe os próximos passos do jogo com bastante atenção…

‘Arcadegeddon’ não vale a pena, ao menos por ora . Imagem: Illfonic/Reprodução

Lembrando que, atualmente, ‘Arcadegeddon‘ está com acesso antecipado disponível para PlayStation 5 (PS5) e PC (Via Epic Games) por R$ 104,90, enquanto o jogo completo será lançado somente em 2022. Confira a sinopse divulgado no site oficial do título:

Arcadegeddon é um jogo multijogador cooperativo que oferece uma mistura de experiências PVE e PVP que permite diferentes velocidades de jogo. Conforme você continua a jogar, você pode enfrentar desafios adicionais das “gangues” locais que frequentam o Gilly’s Arcade. Isso lhe renderá muito mais do que crédito de rua. Falando em credibilidade nas ruas, ganhe seu lugar nas tabelas de classificação.”

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!