Hoje, 04/09, a Anvisa colocou uma medida cautelar sobre 42 lotes da vacina para Covid-19 CoronaVac, impedindo a distribuição e uso dos medicamentos, que seriam feitos pelo Instituto Butantan. Segundo a Anvisa, a fábrica da Sinovac que envasou as vacinas não foi inspecionada e aprovada pela agência na Autorização de Uso Emergencial. Mais de 21 milhões de doses da CoronaVac foram afetadas pela medida.

A Anvisa afirma ter avaliado toda a documentação apresentada pelo Butantan, além de consultar bases de dados internacionais sobre as condições de fabricação da Sinovac. A agência diz que não encontrou relatórios de inspeção de outras autoridades, como a OMS, diz o site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Pela complexidade do processo de fabricação das vacinas, que devem ser produtos estéreis, o desconhecimento sobre as práticas de fabricação da empresa fizeram a Anvisa ver a necessidade de emitir medida cautelar. A agência diz querer evitar que a população seja exposta a um produto que pode apresentar risco sanitário, continua o documento da agência.

O Instituto Butantan afirma que foi o próprio que comunicou o fato à Anvisa, após atestar a qualidade das doses recebidas. “Isso garante que os imunizantes são seguros para a população”, diz uma nota oficial do Instituto para o UOL

publicidade

Leia mais:

“O Instituto Butantan encaminhou à Anvisa há 15 dias toda a documentação necessária para a certificação do processo de produção em que foram feitas essas doses. Por isso, temos a convicção que ela será concedida em breve. Caso necessário, podemos complementar a solicitação com mais dados, inclusive da Sinovac, caso a agência julgue necessário”, informou o Instituto.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!