Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, descobriu que dormir menos que o recomendado acaba aumenta as nossas chances de ingerir comidas mais calóricas. Eles observaram uma ligação entre não dormir pelo menos sete horas por noite e comer lanches com mais carboidratos, açúcar, gorduras e cafeína.

Análise contou com a rotina de quase 20 mil norte-americanos, com idades entre 20 e 60 anos, participantes de 2007 a 2018 da Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição dos EUA. O trabalho coletou as recordações alimentares das últimas 24 horas das pessoas, incluindo detalhes sobre o que foi ingerido e a que horas.

publicidade

“Existe um mecanismo cerebral responsável pelo sistema de recompensas. Quando dormimos mal e pouco, temos uma alteração nesta área. Quando há esta desregulação, o nosso corpo entende que ‘merecemos’ comer mais para conseguir as energias necessárias para continuarmos acordados. É aí que surge a vontade de comer coisas pouco nutritivas e muito calóricas, como um hambúrguer, um sorvete”, disse Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono.

Leia mais:

Desta forma, os participantes foram divididos em grupos com os que cumpriram ou não as recomendações de dormir pelo menos sete horas ou mais por noite. O próximo passo foi os cientistas usarem o banco de dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para estimar a ingestão de nutrientes relacionada aos lanches, além de separar em alguns grupos de alimentos.

Logo em seguida, a equipe criou três intervalos de tempo para a hora da alimentação: de 2h as 11h59 (manhã); de 12h as 17h59 (tarde); e 18h as 1h59 (noite). A análise mostrou que 95,5% das pessoas começou pelo menos um lanche por dia, sendo que mais de 50% das calorias de todos os participantes estavam em categorias que incluíam refrigerantes, bebidas energéticas, batatas fritas, biscoitos e doces.

Os resultados mostraram que os voluntários que dormiam menos de sete horas por noite eram mais propensos a comerem um lanche da manhã, seja ao longo da madrugada ou durante a primeira parte do dia. Além disso, ingeriram uma quantidade maior de lanche e cuja composição tinha menor valor nutricional.

O corpo humano possui dois hormônios responsáveis pela sensação de fome e saciedade: a grelina e a leptina, respectivamente. Enquanto o primeiro é um peptídeo encontrado nas células do estômago, o qual induz o apetite, o segundo está nas células adiposas e reduz a vontade de comer. 

Portanto, dormir pouco afeta o bom funcionamento desses hormônios, impactando com a forma que o corpo continua se alimentando, aumentando assim a fome e o peso da pessoa.

Fonte: O Globo

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!