Já não é nenhuma novidade que a Covid-19 pode ser mais perigosa para alguns grupos específicos, como idosos e pessoas com diabetes. No entanto, no caso dos diabéticos, os cientistas da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD) desenvolveram uma pesquisa específica para tentar entender por que alguns são mais afetados que outros.

Descobriu-se que a diabetes do tipo 2 pode ser muito mais mortal que a diabetes do tipo 1, no caso da infecção pelo SARS-CoV-2. Outros motivadores do aumento de risco de mortalidade são: a combinação de idade avançada; proteína C reativa elevada e; a doença renal crônica, que é comum nestes pacientes.

publicidade
Diabetes. Imagem: Shutterstock
Covid-19: pesquisadores descobrem como a doença afeta pessoas com diabetes. Imagem: Shutterstock

Ao analisar os quadros de mais de mil pacientes com Covid-19 do Reino Unido, os pesquisadores levaram em consideração a idade, complicações macrovasculares e microvasculares do diabetes, além da taxa de internação em unidade de terapia intensiva (UTI) e mortalidade.

Pôde-se concluir que pacientes com diabetes tipo 2 tinham 2,5 vezes mais probabilidade de morrer em sete dias de internação do que aqueles com outros tipos de diabetes. De acordo com o estudo, essa taxa maior pode ser provocada pela idade das pessoas que possuem diabetes tipo 2, que normalmente atinge pessoas mais velhas, acompanhado de outras condições de saúde de longa data.

Leia também!

Além disso, a pesquisa também apontou que pacientes que receberam infusões de insulina tinham metade da probabilidade de morrer do que aqueles que não precisaram de insulina IV. O que mostra que o controle do açúcar no sangue pode ter relação com o tratamento da Covid-19.

Pacientes com menos de 70 anos e doença renal crônica tinham 2,74 vezes mais probabilidade de morrer do que aqueles menores de 70 anos sem a doença. “De acordo com vários estudos, os pacientes com doença renal diabética têm um estado pró-inflamatório crônico e desregulação imunológica, o que torna difícil o combate ao vírus”, afirmou uma das autoras do estudo.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!