O Hospital Albert Einstein, o Sírio Libanês e o São Luiz, todos em São Paulo, confirmaram na última quinta-feira (4) o afastamento do médico Alan Landecker, especialista em rinoplastia, após denúncias de pacientes que teriam tido o nariz deformado após cirurgias com o profissional.

Os três hospitais disseram que vão manter o médico afastado até que as investigações sejam concluídas. As denúncias, feitas por dezenas de pacientes, relatam casos de infecções bacterianas, que causaram perda de olfato e, em alguns casos, até o apodrecimento da pele no local operado.

publicidade

O Conselho Regional de Medicina e a Polícia Civil investigam o caso. Sindicâncias internas nos hospitais onde o profissional atuava também estão sendo realizadas.

Pacientes com o nariz deformado após passarem com o médico

Em entrevista o G1, o empresário Veraldino de Freitas Júnior, de 35 anos, disse que ficou com o nariz deformado após ser operado pelo médico. “No pós-operatório, meu nariz não desinchou, com o passar dos dias começou a feder, com as pessoas do meu convívio percebendo o odor insuportável, até que no 15º dia abriu uma ferida”, contou.

“Não sabemos de quem é a responsabilidade pela infecção porque aconteceu no ambiente hospitalar, mas a grande falha comigo e com os outros foi a negligência de sempre amenizar a situação, dizendo que era normal e que ia passar, ou jogando a responsabilidade pra gente, dizendo que não cuidamos adequadamente do local. Meu infectologista explicou que a contaminação aconteceu no primeiro ato cirúrgico e que, desde então, o tratamento aconteceu de forma incorreta”, completou.

Foto: G1

As denúncias ganharam força após a modelo Sara Cardoso fazer uma live relatando os problemas que teve no nariz após o procedimento com o médico. Após isso, dezenas de pessoas denunciaram problemas semelhantes.

Em nota ao G1, o médico negou as acusações e disse que os pacientes não seguiram as recomendações de pós-operatório.

Leia mais:

Confira a nota na íntegra:

Em todas as fases do atendimento, prestou a necessária assistência, inclusive na pós-cirúrgica, não podendo ser responsabilizado naqueles casos em que os pacientes não cumpriram o necessário protocolo de cuidados recomendados, omitindo uso de medicamentos, como imunossupressores; abandonando o tratamento ou não seguindo as orientações médicas.

Dentre os pacientes que tiveram problemas de infecção após a cirurgia, os casos mais graves foram causados por bactérias tipicamente hospitalares, tais como Mycobacterium, Pseudomonas, Achromobacter, Burkholderia, Stenotrophomonas e Klebsiella.
Ressalte-se que, dentre os poucos pacientes que tiveram infecção, a ampla maioria cumpriu as orientações até o final do tratamento, estando totalmente satisfeitos, tanto com a estética como com a função nasal.
A rinoplastia é a cirurgia estética mais complexa da especialidade. Dentre as mais de 4 mil cirurgias que nosso cliente realizou nestes 20 anos (principalmente casos complexos de correções de pretéritas rinoplastias malsucedidas, realizadas por outros profissionais), raras foram as complicações infecciosas pós-operatórias, correspondendo a apenas 0,5% entre os pacientes do Dr. Landecker, referência nacional e internacional nessa especialidade.
Todos os pacientes são previamente orientados sobre os cuidados necessários e acompanhados por até três anos após os procedimentos.
A correção, seriedade e competência do profissional serão demonstradas por meio de exames e documentos, havendo prova induvidosa de que não incorreu em falta ou erro de qualquer esfera.
As imputações e ataques à honra, religião e reputação do Dr. Landecker, nas redes sociais, são alvo de representações, ações criminais e cíveis e seus autores serão devidamente responsabilizados.

Via G1

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!