Um novo estudo revelou interpretações entre prestadores de cuidados primários e de HIV sobre pessoas que injetam drogas, como se os preconceitos pudessem afetar o acesso à profilaxia pré-exposição (PrEP), que é um medicamento preventivo baseado em prescrição que reduz o risco de infecção por HIV por um comportamento sexual e práticas de injeção.

A educação de PrEP pelos pacientes – ou de uma prescrição – depende muito da discrição dos provedores, a qual está sujeita a vieses sociais. Portanto, os pesquisadores da George Washington University e seus colegas entrevistaram 370 prestadores de cuidados para entender se a raça, orientação sexual e uso de drogas injetáveis ​​de um paciente afetavam o julgamento clínico. 

publicidade

Eles descobriram que os médicos acabam por julgar as pessoas que injetam drogas como menos responsáveis, menos preocupadas com a segurança e também menos propensas a aderir à PrEP. 

Tubo de ensaio HIV positivo
Imagem: PENpics Studio/Shutterstock

“Em um momento em que o uso de drogas injetáveis é um motor difundido de doenças evitáveis ​​e morte nos Estados Unidos, a redução de danos é essencial”, explicou Sarah Calabrese, professora de psicologia e principal autora do estudo. 

Os pesquisadores desenvolveram análises sobre pessoas que injetam drogas usando um registro médico fictício no qual variavam as principais informações. Sendo assim, cada provedor revisou uma versão que variava de acordo com a raça do paciente, orientação sexual se o paciente injetou drogas.

Leia mais:

“Ao saber disso, muitas pessoas que injetam drogas expressaram atitudes positivas em relação à PrEP. No entanto, apenas cerca de 25% das pessoas que injetam drogas nos EUA estão cientes da PrEP, e menos de 1% usaram PrEP recentemente”, disse Calabrese . 

De acordo com ele, o estudo sobre o HIV “mostra a importância de aumentar a conscientização sobre a PrEP como um recurso preventivo para riscos sexuais e relacionados a injeção, e padronizar o acesso a ela para todas as pessoas por meio de políticas e diretrizes.”

Além disso, a equipe observou que limitar o acesso à PrEP para pessoas que injetam drogas pode compor políticas e práticas que dificultam o seu acesso a outros recursos vitais de saúde, como o tratamento baseado em medicamentos para dependência e acesso a naloxona, que é um medicamento que pode ser usado para reverter o efeitos dos opióides durante uma sobredosagem. 

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!