Um cientista australiano chamado Henry Leighton-Jones ficou conhecido na história da Medicina por realizar procedimentos que visavam alcançar algo que, até hoje, ainda é tão sonhado: o rejuvenescimento humano. Para isso, ele fez uso de um experimento considerado totalmente antiético e sem nenhuma eficácia comprovada: o enxerto de testículos de macacos em homens.

Leighton-Jones inspirava-se no trabalho de Serge Voronoff, um excêntrico médico russo que acreditava que o envelhecimento poderia ser causado por uma desaceleração na secreção de hormônios. 

publicidade

Leia mais:

Sob essa premissa, ele achava que a transferência do tecido das glândulas responsáveis ​​pela secreção desses hormônios para os humanos poderia ser um bom tratamento. Então, começou a fazer experiências em si mesmo, injetando extratos de testículos de cachorro e de porquinhos-da-Índia sob sua própria pele.

Como os testículos são glândulas que secretam, entre outros hormônios, a testosterona, Voronoff achou que poderia ser útil para o rejuvenescimento. No entanto, ele não obteve nenhum resultado. Isso o levou a pensar que seria melhor transferir a glândula inteira, em vez de recorrer a injeções. Assim, passou a realizar cirurgias de transplante de testículos de criminosos executados em homens milionários.

Com isso, Voronoff se tornou muito famoso. Tanto que chegou um momento em que não havia crime suficiente para lhe fornecer órgãos, então, ele mudou para testículos de macacos. E foi esse novo procedimento que chamou a atenção de Leighton-Jones. 

Henry Leighton-Jones ficou conhecido como Dr. Monkey Jones. Imagem: The Sidney Morning Herald

Monkey Jones fez mais de 30 cirurgias em uma década

O australiano, na época farmacêutico, aprendeu francês só para ler os livros de Voronoff – que, apesar de ter origem russa, desenvolveu todo seu trabalho científico na França

Totalmente fascinado pela técnica, Leighton-Jones decidiu, em 1929, se colocar nas mãos de seu mestre e fazer um enxerto de tecido de testículos de macaco para prevenir o envelhecimento. 

Além disso, após aquele primeiro encontro, foi contratado como assistente pelo cientista, para que pudesse conhecer de perto como eram feitas as intervenções. Finalmente, depois de considerar que estava suficientemente preparado, e também depois de se casar com a secretária de Voronoff, ele voltou para a Austrália.

De volta ao país de origem, ele precisava de matéria-prima para os experimentos, ou seja, alguns exemplares de macacos rhesus, espécie amplamente utilizada em pesquisas.

Enxerto de testículos de macacos em humanos com o objetivo de obter rejuvenescimento era um método antiético e ineficaz usado por um cientista australiano, inspirado em um médico russo. Imagem: Nikasur7 – Shutterstock

No entanto, a obtenção desses animais pode parecer complicada para um simples farmacêutico. E realmente foi. Leighton-Jones, então, após uma viagem a Singapura, tornou-se amigo do sultão de Johore e foi ele quem colocou os primatas à sua disposição. Sem dúvida, a facilidade de networking do australiano estava valendo a pena.

Não demorou muito para que ele passasse a ser conhecido como Dr. Monkey Jones, com sua fama tendo crescido a tal ponto que ele realizou cerca de 30 enxertos de testículos de macacos entre 1931 e 1941. 

Os pacientes que desejavam prevenir ou reverter o envelhecimento tinham as mais variadas idades, de 24 a 72 anos. E não se limitavam apenas aos homens: ele também fez seis enxertos de ovário, um deles de tecidos de uma macaca grávida. 

Voronoff teve sua carreira interrompida quando outros cientistas expressaram forte rejeição aos seus métodos, gerando dúvidas em seus possíveis pacientes. As críticas, que duraram longos anos, o levaram a ser vinculado à transmissão do vírus HIV dos macacos para os humanos. Mas, isso nunca ficou provado.

Já no caso de Monkey Jones, tudo foi muito diferente. Ele tinha cada vez mais pacientes e chegou a ser convidado a apresentar seu trabalho a outros cientistas em uma conferência de graduação em um hospital de Newcastle, no Reino Unido. No entanto, sua morte resultante de um ataque cardíaco aos 75 anos o impediu.

Uso de testículos de macaco como enxerto em humanos contribuiu para a ciência

Interessados ​​no que seria o conteúdo da palestra, diversos cientistas tentaram acessar os registros do australiano. Eles perceberam que eram impecáveis: além de muito detalhados, prestavam todas as informações necessárias aos pacientes, mantendo-os sempre a par de tudo. De qualquer maneira, a eficácia dos tratamentos nunca foi comprovada – sem contar o quão antiéticas eram suas práticas.

Apesar disso, pode-se dizer que o método teve sua importância para a ciência. Ele e Voronoff são considerados os precursores dos procedimentos de enxerto de glândula e transplante que são realizados atualmente em humanos. 

Os registros que deixaram nos protocolos a serem seguidos foram úteis para os cientistas que, ao longo dos anos, vieram a fazer essas intervenções. Claro, entre os humanos e com outros objetivos que não a prevenção do envelhecimento.

Além disso, há quem considere que Monkey Jones foi o verdadeiro descobridor do  fator rhesus, mais conhecido como fator rh, que se refere a uma proteína que se encontra integrada nas células vermelhas do sangue de alguns animais, incluindo humanos. Mas, não em todos os indivíduos. Portanto, sua presença ou falta é indicada no grupo sanguíneo com os símbolos + e -. 

Oficialmente, considera-se que os descobridores desse fator foram os cientistas Karl Landsteiner e Alexander Solomon Wiener, que popularizaram seu uso. No entanto, Monkey Jones já o havia mencionado em relatórios de seus transplantes de testículo de macaco. 

Com essa história, podemos ver que, na ciência, às vezes, até o mais absurdo pode lançar as bases de algo útil. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!