Coronavírus

Covid-19: aulas ficaram suspensas na pandemia em 99% das escolas básicas

03/12/21 16h20, atualizada em 11/02/22 14h31
Volta às aulas no Rio de Janeiro.

Volta às aulas no Rio de Janeiro. Créditos: Ricardo Borges/Veja

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) revelou os impactos da pandemia da Covid-19 nas escolas do Brasil. O resultado do estudo Síntese de Indicadores Sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira, divulgado nesta sexta-feira (3),  mostra que as atividades presenciais ficaram suspensas em 99,3% das escolas de educação básica.

Escolas durante a pandemia da Covid-19

No geral, o tempo médio de suspensão das aulas presenciais em 2020 foi de 279,4 dias. Na rede pública, a média de atividades suspensas presencialmente durante a pandemia da Covid-19 foi de 287,5 dias, e, na rede privada, de 247,7 dias. 90,1% das escolas de educação básica não colocaram seus alunos novamente nas salas de aula em 2020.

Leia mais:

O maior tempo médio total de suspensão das aulas presenciais foi identificado na Região Nordeste do país (299,2 dias), com destaque para a rede pública (307,1 dias). Na rede privada de ensino, o maior tempo médio de suspensão de aulas presenciais foi observado na Região Sudeste (250,8 dias).

Os dados mais alarmantes mostram que apenas 42,6% das escolas de educação básica tiveram aulas pela internet durante a pandemia da Covid-19. Sendo 35,5% na rede pública e 69,8% na rede privada.

Em 2019, 54% dos estudantes de 15 a 17 anos tinham internet e computador ou notebook em casa, sendo 48,6% na rede pública e 90,5% na rede privada. Entre os estudantes brancos dessa faixa etária, o total atingiu 67,3%, contra 46,8% para estudantes pretos ou pardos, mostrando diferença de 20,5 pontos percentuais.

Via Agência Brasil

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags