A Intel estaria desenvolvendo um acordo bilionário com a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) – uma das maiores fabricantes terceirizada de chips do mundo – para garantir monopólio na produção de processadores baseados em 3nm em 2022.  A estratégia seria uma resposta à Apple que provavelmente utilizará a tecnologia nos iPhones e MacBooks de 2023.

De acordo com informações do DigiTimes, a Intel planeja enviar executivos de alto nível para Taiwan no final de dezembro para debater os termos de parceria com a TSMC.  A principal discussão será os termos de desenvolvimento de tecnologia de processamento de chips de 3 nm e a exclusividade de suas linhas de produção.

publicidade

Atualmente, a TSMC é uma das parceiras da Apple no desenvolvimento de componentes dos processadores Apple M1, Pro e Max. Os chips – desenvolvidos internamente pela Apple – impactaram diretamente nos custos da Intel, uma vez que os seus chips foram durante décadas os processadores oficiais da linha Mac.

Leia mais:

Intel projeta faturamento de trilhões para 2021

Apesar desta perda, o ano da empresa está longe de fechar no prejuízo. Em meio ao lançamento da 12ª geração de chips Alder Lake, recentemente a Intel relatou que, apesar da crise dos chips, que segue impactando a disponibilidade de componentes eletrônicos, a companhia mostra que pode alcançar um faturamento anual superior à marca de US$ 400 bilhões — mais de R$ 2,2 trilhões na cotação atual. Em receita, a companhia espera obter US$ 18,2 bilhões de dólares (cerca de R$ 102 bilhões).

Um fator que contribuiu para os ganhos da empresa foi a alta demanda por computadores ao longo da pandemia, especialmente por conta da crescente demanda por trabalho remoto, muitos deles embarcados com tecnologias da Intel. A IDC aponta que foram vendidos 86,7 milhões de PCs só no terceiro trimestre de 2021.

Assim, a empreitada da Intel sob a TSMC deve ser uma estratégia para reatar os laços entre as empresas. Atualmente, a Apple adota o processo de 5nm para os seus chips e pretende passar para os 3 nm em breve.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!