Mesmo com os impactos da pandemia na economia mundial, uma realidade que não mudou é: os bilionários conseguiram acumular ainda mais dinheiro. Pelo menos é isso que afirma o estudo ‘Desigualdade Mundial 2022’, uma iniciativa do laboratório francês Thomas Piketty.

Segundo o levantamento (que considera o período de 1995 até 2021) 38% do dinheiro que circula no mundo são da fatia de 1% dos mais ricos. Em contrapartida, apenas 2% desse capital são divididos entre a metade da população mais pobre.

publicidade
Notas de euro e dólar; quase 40% do dinheiro mundial estão com 1% dos mais ricos, diz estudo
Outro dado em destaque foi o crescimento de 6% a 9% no patrimônio dos mais ricos no mesmo período. Imagem: baldamunda/Shutterstock

Ainda sobre a desigualdade, a pesquisa também mostra em quais regiões essa discrepância é maior. O continente europeu, por exemplo, é a região com riquezas mais bem distribuídas. Enquanto isso, Oriente Médio e África do Norte foram destaque pelo contrário: o alto índice de desigualdade financeira, com 10% dos mais ricos detendo 58% da renda.

No meio do caminho, ficaram a América Latina e o leste da Ásia, que compõem o que a pesquisa intitulou como “nível médio” de desigualdade.

Veja também

Brasil é um dos países com mais disparidade na distribuição de renda

Sobre o Brasil, a pesquisa não deixou de ressaltar que se trata de um dos países mais desiguais do planeta, onde 10% dos mais ricos respondem por 59% da renda, enquanto a metade da população mais pobre divide cerca de 10% do capital.

A pesquisa também revela que nos anos 2000 o Brasil vinha demonstrando menos desigualdade, com “milhões saindo da pobreza graças a programas governamentais (Bolsa Família)”. 

No entanto, os especialistas indicam que um dos fatores que ajudou a mudar essa realidade foi a falta “de uma grande reforma tributária” no país.

Por fim, sobre a desigualdade de gênero, a pesquisa mostra um dado positivo. Mesmo com a disparidade salarial, que ainda é realidade no mercado de trabalho, a participação feminina na geração de renda global registrou um ligeiro avanço.

Enquanto na década de 1990 as mulheres respondiam por 30% da riqueza mundial, agora elas compõem uma fatia de 35%. No Brasil, entre 10% dos mais ricos, a participação das mulheres também subiu de 24% (1996) para 38% (2018), um salto de 14%.

Via: Uol

Imagem principal: Watchara Ritjan/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!