Seguindo o exemplo do Irã, o governo de Kosovo decretou nesta terça-feira (4), a proibição da mineração de criptomoedas como medida para amenizar os impactos da crise energética sofrida pelo país e também ao redor do mundo. Apesar de ser uma nação relativamente pequena, com um tamanho comparado a área territorial do estado do Rio de Janeiro, Kosovo tem uma grande vantagem: excelente oferta de carvão. 

No entanto, trata-se de uma matriz energética altamente poluente e que vem sendo combatida pelas autoridades, como nas últimas decisões da Cop-26. 

publicidade

Apagões programados 

A crise energética atingiu tal ponto no país que o governo decidiu realizar apagões programados com duas horas de duração em todas as regiões de  Kosovo. O objetivo é incentivar a  redução no consumo de eletricidade. 

A medida já vem causando várias insatisfações e há protestos por parte da população, pois há impactos negativos tanto na economia quanto dentro dos lares. 

Leia mais:

Fim da mineração é medida emergencial 

Em nota oficial, o ministro da Economia, Atrane Rizvanolli, disse que a proibição da mineração de criptomoedas foi tomada em decisão da Comissão Técnica de Medidas Emergencial para abastecimento de energia. 

“Estas ações têm como objetivo abordar a potencial falta inesperada ou de longo prazo de capacidades de produção de eletricidade, capacidades de transmissão ou distribuição de energia para superar a situação sem sobrecarregar ainda mais os cidadãos da República de Kosovo”, afirmou o ministro.

Apesar da medida, ainda há muitos mineradores atuando clandestinamente em Kosovo. A partir de agora, o governo vai iniciar uma força-tarefa para combatê-los nos próximos 60 dias, período escolhido como forma de garantir uma reserva substancial de verba e também de energia importada e oriunda da economia gerada pelos cortes.   

Equipamento de mineração Asic
Mineração de criptomoedas exige grande consumo de energia elétrica: países começam a proibir para economizarem eletricidade. Imagem: Artie Medvedev/Shutterstock

Criptomoedas na mira de vários países 

Além do Irã e Kosovo, o Cazaquistão também vem enfrentando problemas no abastecimento de energia em razão dos mineradores de criptomoedas. Isso porque o país acolheu grande parte do hashrate de Bitcoin da China, país que restringiu totalmente a mineração. 

Até o momento, o Cazaquistão já perseguiu mineradores não registrados e também introduziu limites de consumo. Já no Irã, a proibição da mineração vai até o dia 6 de março, com a expectativa de que a medida ajude a evitar um colapso no sistema  elétrico ao longo do inverno.  

Via: Decrypt

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!