Uma pesquisa encomendada pela NASA sugere enviar uma nave para longe da Terra, a fim de medir o quociente de “força galática” e, com isso, estabelecer uma forma mais simples de se encontrar a elusiva matéria escura.

O interessante é que nós já conhecemos a “força galática” — nome atribuído à soma resultante de toda a força gravitacional da matéria comum e da matéria escura. De acordo com o estudo, nós já sabemos como calcular esse número, mas precisamos dos dados corretos para isso.

publicidade

Leia também

Enviar uma nave espacial para uma distância relativa da Terra pode ser um novo caminho para detectarmos a matéria escura, segundo estudo
Enviar uma nave espacial para uma distância relativa da Terra pode ser um novo caminho para detectarmos a matéria escura, segundo estudo da NASA. Imagem: Dotted Yeti/Shutterstock

Como já falamos em outras matérias, a matéria escura compõe algo entre 25% e 27% do universo conhecido e, assim como um buraco negro, a luz não interage com ela. Por essa razão, não se pode observar a matéria escura diretamente, e sua detecção depende muito do quanto ela influencia objetos ao seu redor.

Segundo Edward Belbruno e Jim Green, os co-autores do estudo, a NASA poderia enviar uma nave a uma distância de 100 unidades astronômicas (UAs) — ou seja, 100 vezes a distância entre a Terra e o Sol — e, uma vez atingida a distância desejada, soltaria uma esfera reflexiva capaz de detectar somente a força galática.

“A nave em si estaria sujeita à força galática e também a forças térmicas dos isótopos radioativos em seu núcleo, então se subtrairmos a força térmica, os pesquisadores poderiam avaliar como a força galática se relaciona com os desvios de trajetória entre a esfera e a nave”, disseram os autores, ressaltando o uso de lasers para identificar esses desvios.

A missão proposta no estudo é hipotética, ao menos por enquanto, mas seria uma forma viável de se estudar a matéria escura com precisão. Evidentemente, ela não seria a única a fazê-lo: os (bem reais) telescópios espaciais James Webb e Nancy Grace Roman (NASA), bem como o telescópio Euclid, da agência espacial europeia (ESA), também dedicarão parte de suas capacidades para estudar o elusivo componente do universo.

Ainda assim, Belbruno diz que “se você pudesse enviar uma nave para o espaço profundo para detectar a matéria escura, isso seria uma descoberta e tanto”.

O estudo completo está disponível no jornal científico Monthly Notices on the Royal Astronomical Society.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!