Seguindo uma tendência mundial, os Estados Unidos já projetam a criação do dólar digital, com foco no mercado das criptomoedas. No entanto, há vários desafios para serem enfrentados, como o conservadorismo de muitos parlamentares e também a discussão em torno da escolha do melhor design. 

Em um discurso na Universidade Americana em Washington, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que os esforços do governo estão focados no impacto de uma CBDC na política monetária, segurança nacional e comércio internacional, bem como sua utilidade para os consumidores. 

Mas tudo dependerá de uma aprovação no Congresso. “Ainda não posso adiantar como o projeto será conduzido, mas estou convicta de que a emissão de um CBDC será uma iniciativa com vários desafios de engenharia, o que exigirá anos de desenvolvimento, ou seja, estamos falando a longo prazo”, disse Yellen, que já foi presidente do Banco Central dos EUA, o Fed.

Leia mais:

publicidade

Necessidade urgente 

Apesar dos desafios, Yellen reconhece que os EUA precisam tornar os sistemas de pagamento mais baratos, ágeis e com maior acessibilidade. Isso porque há limitações para pessoas de baixa renda, fazendo com que muita gente tenha que recorrer a credores com juros acima dos cobrados pelo mercado. 

Apesar da grande necessidade, implantação do dólar digital ainda enfrentará vários desafios, o que já é visto como um projeto a longo prazo pela Casa Branca. Imagem: Shutterstock

Dessa maneira, estudos já foram encomendados sobre esse universo digital, o que inclui as criptomoedas. Mas, a secretária admite que o processo de implantação levará meses. 

Enquanto isso, o governo de Joe Biden continua pressionando o Congresso para aprovar uma legislação que regule as stablecoins, um tipo de moeda digital cujo valor geralmente é atrelado ao dólar.

Por isso, a indústria de criptomoedas intensificou os lobbys em Washington, incluindo a contratação de ex-executivos das administrações democrata e republicana, em um esforço para que a leis estejam em sintonia com os interesses do setor. 

Via: The Wall Street Journal

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!