Nenhum objeto experimenta o vento solar da nossa estrela hospedeira de forma mais intensa do que Mercúrio. Um estudo publicado no Journal of Geophysical Research descreve uma possível relação entre esse evento e a abundância de sódio na atmosfera do planeta.

Esta simulação de computador mostra a camada de entrada do vento solar e eventos de transferência de fluxo (linhas verdes) na magnetosfera de Mercúrio. Imagem: Journal of Geophysical Research

Quando Mercúrio é atingido pelas rajadas, seu campo magnético desvia o fluxo de partículas eletricamente carregadas a uma distância de cerca de mil quilômetros da superfície, até um ponto chamado magnetopausa.

publicidade

Sob as condições adequadas, as linhas do campo magnético do Sol são transportadas pelo vento solar e se dobram à medida que colidem com as de Mercúrio, em um evento chamado reconexão magnética. 

Durante a reconexão, partículas do vento solar podem penetrar no campo magnético de Mercúrio, por meio de mecanismos conhecidos como eventos de transferência de fluxo (FTEs). Explosão de FTEs em rápida sucessão provocam a chamada “chuva de FTE”.

Os autores desse novo estudo investigaram o efeito dessas chuvas na superfície do planeta usando dados coletados pela sonda MESSENGER (acrônimo de “Mercury Surface, Space Environment, Geochemistry, and Ranging”), da NASA, que orbitou Mercúrio entre 2011 e 2015. 

À medida que a espaçonave passava pela magnetopausa do planeta e seguia em direção à superfície, o espectrômetro de massa de íons a bordo, chamado Fast Imaging Plasma Spectrometer (FIPS), registrava as abundâncias locais de íons de grupo de sódio, que incluem íons de sódio, magnésio, alumínio e silício. 

Leia mais:

Simultaneamente, um magnetômetro a bordo media o ambiente magnético local. Durante o curso da missão orbital do MESSENGER, tal cenário ocorreu 3.748 vezes, e em metade delas houve o registro de chuvas de FTE.

Ao analisar as situações coincidentes, os pesquisadores perceberam que a abundância de íons de grupo de sódio na atmosfera é cerca de 50% maior do que sem as chuvas de FTE. Depois de examinar vários mecanismos potenciais para isso, os cientistas concluíram que o vento solar é a causa mais provável.

Essas observações do MESSENGER são um importante indicador do dinamismo da fina atmosfera de Mercúrio, segundo os cientistas. Mais informações devem se somar à pesquisa quando chegarem os dados da missão conjunta entre Europa e Japão BepiColombo

Essa missão consiste em duas espaçonaves, uma voltada para Mercúrio e outra voltada para sua magnetosfera, trabalhando em conjunto para fornecer detalhes sem precedentes sobre a influência do vento solar nas FTEs.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!