A Meta, empresa mãe do Facebook, o UCSF Medical Center e a Dignity Health Medical Foundation estão sendo processados nos Estados Unidos por coletar ilegalmente informações de saúde dos pacientes. A ação coletiva, no Distrito Norte da Califórnia, alega que os dados era secretamente coletados para publicidade direcionada.

A denúncia afirma que os sites de 33 dos 100 principais hospitais norte-americanos, além de portais de sete sistemas de saúde protegidos por senha, incluindo os do centro e da fundação processados, tinham a ferramenta de monitoramento Pixel, da Meta.

publicidade

Leia mais:

A Meta Pixel é, de acordo com o site Computing, um trecho de código que pode ser incorporado em sites de terceiros para rastrear atividades dos usuários. Assim, nos sites de saúde, ele reunia dados dos pacientes e compartilhava com o Facebook, uma violação a regulações estaduais e federais.

Em cada página visitada, os botões clicados e detalhes inseridos eram registrados pelo Meta Pixel. Muitas vezes, os pacientes adicionavam dados pessoais altamente confidenciais, incluindo doenças, médicos e medicamentos prescritos.

Os dados dos pacientes eram usados para publicidade direcionada no Facebook. Imagem: Alberto Garcia Guillen/Shutterstock

E isso não era só direcionado àqueles que possuíam conta na rede social. Qualquer usuário tinha os dados coletados. No caso de quem tinha perfil no Facebook, os dados coletados pela Meta eram vinculados a conta para uma correlação mais próxima. Tudo isso sem que os pacientes fossem alertados e sem consentimento.

As pessoas, diz o documento judicial, receberam anúncios direcionados tanto no Facebook quanto em seus e-mails, promovendo serviços médicos sem respaldo científico. Os denunciantes destacam a sensação de violação, já que nunca consentiram com a aquisição de suas informações médicas particulaes.

O processo contra a Meta busca reparação relevante à invasão de privacidade, violação de confidencialidade de informações médicas, acesso a dados e Lei de Fraude (CDAFA), enriquecimento sem causa, além da lei dos EUA de escuta telefônica.

Via: Computing

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!