Energia nuclear é considerada uma forma eficiente que pode ser relativamente limpa de produzir energia. No entanto, isso não significa que seja uma alternativa simples, já que grandes usinas são extremamente caras e perigosas, fazendo com que a dependência a esse tipo de energia tenha diminuído nas últimas décadas. É nesse contexto que reatores menores estão sendo desenvolvidos, mas apesar de promissores, os riscos ainda persistem.

Um desses projetos é comandado pela Rolls-Royce SMR, derivada da tradicional fabricante de automóveis britânica. A empresa está criando pequenos reatores modulares, muito menores e mais baratos do que as usinas gigantes usadas atualmente. No contexto da guerra da Ucrânia, em que países europeus buscam diminuir a dependência do gás natural russo, a demanda por esse tipo de energia aumentou.

A SMR já assinou acordos com diversos países europeus. No entanto, isso não significa que os reatores estão perto de entrar em funcionamento. O desenvolvimento ainda deve levar mais alguns bons anos e existe uma série de regulamentações que precisam ser seguidas para o sistema começar a funcionar. 

De acordo com a empresa, o novo modelo se afasta do tradicional que envolve construções gigantes e caras. Cerca de 90% de toda a usina é construída em fábrica, o que ajuda a manter a segurança e evitar o descarte irregular de resíduos. 

publicidade

Quando ficar pronta, “uma usina Rolls-Royce SMR terá capacidade para gerar 470 mw de energia de baixo carbono, equivalente a mais de 150 turbinas eólicas terrestres. Ele fornecerá geração de carga de base consistente por pelo menos 60 anos, ajudando a apoiar a implantação da geração renovável”.

Um modelo de uma instalação de Reator Modular Pequeno que a Rolls-Royce SMR espera ter operacional até o final da década (Imagem: Divulgação/Rolls-Royce SMR)

Como funciona esse pequeno reator nuclear?

Alguns modelos são basicamente reatores de água pressurizada idênticos a cerca de 400 reatores em todo o mundo, mas em uma escala menor, com cerca de um décimo do tamanho. No entanto, existem outras versões que, ao invés de água, usam sódio, chumbo e outros elementos.

“É como construir Lego”, disse Dan Gould, porta-voz da empresa. “Construir em menor escala reduz os riscos e o torna um projeto mais passível de investimento”, completou ainda.

Leia mais:

Já em relação aos custos, o pequeno reator da Rolls-Royce custa cerca de US$ 3,2 bilhões, isso é bem menos do que o valor estimado entre US$ 6 a US$ 9 bilhões para os modelos atuais. Sobre o tempo de construção, o projeto prevê cinco anos para cada usina, dois anos a menos do que o formato tradicional.

Apesar disso, nem tudo são flores. Um estudo recente da NuScale Power indica que reatores nucleares modulares que utilizem métodos de refrigeração alternativos à água devem produzir mais resíduos do que um tradicional. Além disso, apesar do custo mais baixo, a produção energética menor pode afastar potenciais compradores. No entanto, esses fatores devem ficar mais claros na medida em que os projetos tenham seu desenvolvimento aprimorado.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!