Um meteorito vindo de Marte caiu no Marrocos a 11 anos atrás e contém diversas amostras de compostos biológicos. Esses compostos podem ajudar os cientistas a descobrir se já existiu vida em Marte e sobre a história geológica da própria Terra. 

Marte e a Terra compartilham muitos aspectos de sua evolução e, embora a vida tenha surgido e prosperado em nosso planeta natal, a questão de saber se ela existiu em Marte é um tópico de pesquisa muito quente que requer um conhecimento mais profundo da água, moléculas orgânicas, e superfícies reativas

Leia mais:

Philippe Schmitt-Kopplin, da Universidade Técnica de Munique e Helmholtz Zentrum de Munique, na Alemanha, em comunicado

publicidade

O meteorito recebeu o nome de Tissint, em homenagem à cidade onde foi encontrado. O pedaço de rocha marciana provavelmente se formou há milhões de anos atrás e veio parar na Terra, depois de ser “expulsa” do planeta por um evento explosivo muito violento.

Meteorito marciano Tissint encontrado no Marrocos em 2011. (Crédito da imagem: Ludovic Ferriere/Museu de História Natural de Viena)

Química orgânica abiótica 

No entanto, a presença de compostos orgânicos no meteorito não é obrigatoriamente comprovação da existência de vida em Marte. Composto orgânicos são moléculas grandes formadas principalmente por átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e enxofre.

Mesmo que geralmente eles sejam formados por reações relacionadas à existência de vida, eles podem formar-se de outras formas. Compostos orgânicos formados a partir de processos não biológicos, são conhecidos como “química orgânica abiótica”, e podem surgir por diferentes reações.

Em uma pesquisa publicada na revista Science Advances no dia 11 de janeiro, pesquisadores analisaram a composição do meteorito. Estudando a rocha, eles construíram o maior catálogo de compostos orgânicos marcianos a partir de um meteorito ou de coletas de um rover. 

Os pesquisadores descobriram que a diversidade de moléculas orgânicas está ligada à mineralogia do meteorito. Essa descoberta revelou detalhes dos processos que acontecem nas camadas profundas de Marte, sob o manto e a crosta, e como eles podem gerar compostos orgânicos abióticos a partir de interações entre o meteorito e a água.

Compostos orgânicos de magnésio

No meteorito também foram descobertos compostos orgânicos de magnésio, que ainda não haviam sido observados em amostras marcianas. Os compostos podem ajudar os cientistas a entender o processo geoquímico de alta pressão e temperatura que ocorre no interior de Marte. Além de contribuir na compreensão dos ciclos de carbono e formação mineral que acontecem no planeta. 

Agora a equipe vai esperar as amostras vinda de Marte coletadas pela missão que estão atuando no planeta, como a Mars Sample Return, para fornecer dados geológicos de Marte. Esses dados podem dar mais informações sobre como os compostos orgânicos se formam no planeta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!