Um astrofotógrafo capturou uma imagem impressionante que mostra uma enorme “cachoeira de plasma” caindo em direção à superfície do Sol a velocidades incrivelmente altas depois de ser disparada próxima ao polo sul da estrela.

Eduardo Schaberger Poupeau, que mora nas proximidades da cidade de Rafaela, na Argentina, fez o registro na última quinta-feira (9), usando equipamentos de câmera especializados. Segundo a legenda da foto enviada por Poupeau ao site Spaceweather.com, a parede de plasma “subiu cerca de 100 mil km acima da superfície solar”.

Isso é tão alto quanto cerca de oito planetas do tamanho da Terra empilhados uns sobre os outros. “Na tela do meu computador, parecia que centenas de fios de plasma estavam escorrendo por uma parede”, relatou o astrofotógrafo.

Esse fenômeno fascinante é conhecido como Proeminência da Coroa Polar (PCP), que é algo parecido com as erupções solares comuns (jatos de plasma ou gás ionizado que são ejetados pelo campo magnético da estrela em diversos pontos da superfície – as chamadas manchas solares).

publicidade

De acordo com a NASA, o que diferencia é que as PCPs ocorrem perto dos polos magnéticos do Sol, em latitudes entre 60 e 70 graus Norte e Sul, o que muitas vezes faz com que elas colapsem de volta para a estrela porque os campos magnéticos perto dos polos são muito mais fortes. Esse colapso de volta ao Sol rendeu às PCPs o apelido de “cachoeiras de plasma”.

Vídeo acelerado de capturas de uma PCP subindo e descendo do Sol em 30 de novembro de 2006. Crédito: NASA

O plasma dentro dessas cachoeiras não está realmente em queda livre porque ainda está contido no campo magnético que inicialmente o ejetou. 

No entanto, o material viaja para baixo a velocidades de até 36 mil km/h, o que é muito mais rápido do que os campos magnéticos devem permitir com base nos cálculos dos especialistas. Segundo a NASA, os pesquisadores ainda estão tentando descobrir como isso é possível.

Leia mais:

Um estudo publicado em 2021 na revista Frontiers in Physics revelou que as PCPs passam por duas fases durante suas erupções: uma lenta, na qual o plasma é disparado vagarosamente para cima, e uma rápida, quando o plasma acelera em direção ao seu pico de altitude. 

Como muitos outros fenômenos solares relacionados ao plasma, as PCPs podem se tornar ainda mais frequentes e intensas à medida que o Sol se aproxima do pico de atividade em seu ciclo solar de 11 anos – ponto conhecido como máximo solar – que, desta vez, está previsto para 2025.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!