O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará uma visita à China para assinar pelo menos 20 acordos. Entre eles, está um específico para a criação de um satélite que será responsável por monitorar o desmatamento nas terras brasileiras. A construção e lançamento em órbita do satélite CBERS 6 permitirá o registro de imagens nítidas e com maior alcance de toda a região da Amazônia e dos demais biomas brasileiros.

Leia mais:

Os detalhes

  • Esse satélite não será o primeiro. A linha CBERS (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres) já produziu e lançou em órbita outros seis equipamentos. O primeiro foi lançado em 1999.
  • “O CBERS 6 será o primeiro satélite desenvolvido entre os dois (países) que usa uma tecnologia que permite ao radar monitorar a floresta mesmo com nuvens. É um avanço”, afirmou o embaixador Eduardo Saboia, secretário de Ásia e Pacífico do Itamaraty.
  • O último deles, o CBERS 04A, foi lançado em 2019 e tem a vida útil estimada até o fim de 2024 — mas poderá permanecer mais tempo em órbita e operando. Ele pode ser usado para monitorar diversas áreas — como garimpo ilegal —, mas a qualidade das imagens captadas por essas câmeras brasileiras em órbita ainda é afetada pelas nuvens, diferencial do propósito desse novo satélite.

A visita de Lula aos chineses acontecerá entre os dias 26 e 31 de março e passará por Pequim e Xangai.

É uma visita de importância comercial, econômica, mas também política. Ela acontece na sequência da retomada de contatos de alto nível. Ocorre num momento auspicioso, de novo ciclo político no Brasil e na China .

Eduardo Saboia

Com informações de Estadão

publicidade

Imagem destacada: Estadão