Plágio é o ato de reproduzir o conteúdo alheio, de forma total ou parcial, sem a permissão do autor do conteúdo. A prática é vista como um ato criminoso pelo Código Penal Brasileiro e implica uma série de atos que violam os direitos autorais em campos literários, científicos e até artísticos. A seguir, confira mais informações e entenda quais os tipos de plágio.

Leia mais:

O que é plágio e como a prática funciona?

Ilustração de uma pessoa roubando ideia de outra que está do seu lado
Imagem: Contentools

Plágio é o nome dado para o ato de copiar e publicar o conteúdo de outra pessoa sem a permissão prévia dela. Além disso, esta publicação não autorizada é particularmente problemática porque ela não fornece os devidos créditos do autor do conteúdo, mesmo que a cópia tenha sido apenas de maneira parcial. Desta forma, a pessoa que plagiou o determinado conteúdo acaba recebendo o crédito por algo que não criou, o que gera prejuízos diretos para o verdadeiro autor.

Para entender melhor, veja o seguinte exemplo: um cantor escreve e lança uma música, mas que infelizmente não faz sucesso; então, aparece outra pessoa que se utiliza deste material já publicado, copia de forma total ou parcial, publica como se fosse de sua autoria, não informa o crédito do compositor original e ainda ganha sucesso e dinheiro com isso.

publicidade

O ato do plágio já é algo preocupante em si, mas se torna ainda pior quando o plagiador arrecada dinheiro e reconhecimento em cima do trabalho de outras pessoas.

Quais as consequências para quem pratica o plágio?

Plágio é considerado crime, pois consta como uma violação dos direitos autorais e é previsto no artigo 184 do Código Penal Brasileiro. Cometer este delito pode acarretar, nos casos mais leves, apenas uma multa (cujo valor é decidido pelos oficiais da Justiça), e nos casos mais graves, uma detenção de três meses a um ano.

Quais os tipos de plágio?

Há diferentes tipos de plágio, uma vez que a criatividade do ser humano não tem limites. Contudo, os principais casos são associados aos campos científico, artístico, e literário. Desta forma, é possível plagiar alguém por meio de conteúdos escritos (livros, roteiros, trabalhos acadêmicos), audiovisuais (músicas, melodias, identidade sonora, filmes, novelas, séries), e científicos (ideias de pesquisa, achados científicos, etc.).

Ainda há uma lista geral, que engloba de forma mais ampla os diferentes tipos de plágio, confira abaixo:

  • Plágio Consentido: quando o autor original está ciente da reprodução de seu material, comprova esse consentimento por meio de uma assinatura, e permite que alguém faça o plágio, como é o caso da venda de trabalhos acadêmicos;
  • Plágio de Fontes: quando um autor publica um conteúdo que se diz novo, mas que possui informações diretas de fontes que já haviam sido consultadas por outros autores em outros textos;
  • Plágio Direto: cópia literal de um texto alheio, sem qualquer indicação ou crédito ao autor original;
  • Plágio Indireto: reprodução de ideias de uma fonte original, mas com palavras diferentes, sem a identificação do autor original;
  • Autoplágio: um autor publica algo que se diz novo, mas que já foi anteriormente publicado pela mesma pessoa.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!