Uma das principais discussões da atualidade diz respeito a como impedir o avanço de fake news nas redes sociais. Mas outro problema é o uso dessas ferramentas para propagação de propagandas de regimes autoritários. É o caso do que está acontecendo no Threads, lançado pela Meta no início de julho deste ano.

Leia mais

Falta de moderação

  • Uma reportagem do The Wall Street Journal aponta que governos como o da Rússia estão utilizando o Threads para se promover.
  • A utilização da rede social para esse propósito não é o problema, e sim o uso de perfis de veículos de comunicação que são controlados pelo Estado.
  • Para combater a desinformação, o Facebook e o Instagram, por exemplo, aplicam um selo identificando que esses perfis são controlados por governos.
  • Isso ocorreu depois que estudos independentes descobriram que campanhas de influência usaram esses serviços para suprimir a participação eleitoral e impulsionar a candidatura de Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, em 2016.
  • O Twitter, agora rebatizado como X (leia mais aqui), também adotou a prática de controle em 2020, mas deixou o recurso de lado após a aquisição da rede social por Elon Musk.
  • O Threads, por sua vez, não conta com nenhum tipo de moderação de conteúdo.

Uso da rede social por regimes autoritários

  • De acordo com o The Wall Street Journal, as russas RT e Sputnik News, as chinesas CGTN e Xinhua News, além da Fars News, que é administrada pela Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, já atuam no Threads e atraíram mais de 270 mil seguidores desde o lançamento da rede social.
  • Nos últimos dias, a Sputnik News chegou a postar um vídeo manipulado que mostrava o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, folheando livros ao lado de uma placa dizendo “exercícios cerebrais para demência”.
  • Grupos de checagem de fatos desmentiram o conteúdo do vídeo em 2020.
  • A mesma publicação não foi compartilhada no Instagram, onde a Sputnik é identificada como uma organização afiliada ao Kremlin.
  • Procurada, a Meta afirmou apenas que adicionará os “rótulos de mídia controlados pelo Estado ao Threads em breve”, mas sem especificar uma data.
  • A Sputnik News e os outros meios de comunicação apoiados por regimes autoritários não se pronunciaram sobre a situação.

Threads precisará mudar, avaliam especialistas

  • Para Neil Shah, sócio da Counterpoint Research, empresa de pesquisa de mercado de tecnologia, a Meta provavelmente está priorizando o crescimento de usuários da nova rede social.
  • No entanto, ele destaca que a empresa precisará incorporar uma moderação mais rigorosa do conteúdo se quiser competir com o Twitter.
  • Sem isso, “a plataforma poderia implodir se uma mensagem falsa ou mensagem de ódio se tornasse viral”, disse ele.
  • Já Simon Kemp, fundador da consultoria digital Kepios, especializada em análise de mídia social, vai na mesma direção.
  • Ele acredita que novos recursos, inclusive de moderação, devem ser lançados na próxima atualização da rede social.
  • “Está bastante claro que o Threads saiu prematuro, não totalmente formado”, afirmou.
  • Logo nos primeiros dias após o lançamento, o Threads atingiu a marca de mais de 100 milhões de usuários.
  • No entanto, os números reduziram drasticamente com o passar dos dias.

Com informações de The Wall Street Journal.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!