Um recente estudo, publicado na revista Nature, sobre os proboscídeos (que compreendem os elefantes e seus ancestrais), realizado pela Universidade de Helsinque (Finlândia), traz provas que indicam que alguns dos membros dessa família começaram a se adaptar aos ambientes ricos em capim no leste africano.

Segundo a Phys.org, o estudo indica que, primeiramente, esses animais mudaram seu comportamento e começaram a se alimentar mais de capim. Isso aconteceu com algumas linhagens de proboscídeos, tais como os choerolophodontes, bem antes do que se imaginava até então, cerca de 23 a 11 milhões de anos.

Leia mais:

Além disso, há sete milhões de anos na região do lago Turkana, dietas ricas em capim já nos primeiros verdadeiros elefantes foram associados aos ambientes com sava mais secos e ricos de capim do que em qualquer outro lugar da África Oriental.

publicidade

Isso sustenta a hipótese de que tais regiões, como ‘fábricas de espécies’, onde a adaptação evolucionária às condições ambientais em mudança, se centrou primeiro.

Juha Saarinen, da Universidade de Helsinque, líder da pesquisa
  • Alimentar-se em capinzais demanda mais dos dentes do que outros tipos de plantas devido à alta concentração de grãos minerais, chamados fitólitos, em suas folhas, causando forte abrasão nos dentes desses animais;
  • Além disso, durante o início e a metade do período Mioceno, a linhagem choerolophodontes de proboscídeos podiam mudar para dietas mais ricas em capim com relativas mudanças modestas na morfologia de seus dentes;
  • Desde cerca de dez milhões de anos, maiores mudanças no clima teve efeitos mais profundos na evolução dos dentes dos proboscídeos no leste africano, especialmente a evolução dos elefantes verdadeiros com dentes molares altamente especializados, com coroas altas e múltiplas arestas.

Pudemos mostrar que os picos mais fortes de secagem do clima da África Oriental durante os últimos sete milhões de anos correspondem a explosões evolutivas no aumento da altura da coroa dentária e do número de cristas nos dentes molares, enquanto essas mudanças evolutivas não se reverteram durante períodos de condições climáticas menos severas. Isso sustenta sugestões anteriores de que características adaptativas em organismos são adaptações a condições ambientais extremas, e não médias.

Juha Saarinen, da Universidade de Helsinque, líder da pesquisa

Comparando evidências de vegetações antigas e a dieta dos elefantes durante os últimos sete milhões de anos indicou o crescimento capinzais e incremento dominante de elefantes que se alimentavam de capim com dentes altamente especializados ao longo daquele período.

Mas, durante os últimos 100 mil anos, essa situação mudou, provavelmente por conta das flutuações drásticas no clima global e, eventualmente, apenas o elefante moderno da savana africana (Loxodonta africana), mais generalista e com dentes menos especializados, sobreviveu na África Oriental.

O generalismo ecológico pode explicar de forma semelhante a sobrevivência do elefante asiático (Elephas maximus) na Ásia, enquanto o elefante africano da floresta (L. cyclotis) foi capaz de encontrar refúgio em partes mais florestais da África Central e Ocidental.

Os elefantes modernos, ecologicamente bastante versáteis, foram os únicos sobreviventes das tumultuadas mudanças climáticas do final do Pleistoceno. Agora, somos nós, humanos, que ameaçamos as últimas espécies sobreviventes desse grupo ecologicamente importante de animais, e devemos trabalhar duro para evitar que eles se percam para sempre.

Juha Saarinen, da Universidade de Helsinque, líder da pesquisa

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!