A AMD tem lançado atualizações para seus processadores Zen para mitigar uma vulnerabilidade recentemente descoberta.

No entanto, segundo o Techradar, de acordo com testes realizados pelo site Linux Phoronix, os resultados não são animadores em termos de desempenho: em alguns casos, as tarefas ficaram até 54% mais lentas do que em chips não corrigidos.

Leia mais:

Desempenho dos processadores

  • Alguns aplicativos, como 7zip, Blender e Firefox, não foram tão afetados, embora o 7Zip tenha apresentado o pior desempenho dos três;
  • No entanto, programas de software de nível industrial parecem ter sido muito mais prejudicados;
  • Por exemplo, o banco de dados MariaDB teve desempenho muito pior nos processadores de servidor Epyc corrigidos;
  • Outros aplicativos relacionados à compilação de código, engenharia e processamento de imagens também foram impactados de forma semelhante.

A AMD tem corrigido seus chips afetados de três maneiras diferentes: alguns possuem correção baseada no kernel, alguns possuem um novo microcódigo e outros têm a mitigação de Barreira de Previsão de Indireção de Ramificação (IBPB) aplicada. Este último é considerado o reparo mais seguro, mas também responsável pelos piores gargalos de desempenho.

publicidade

Situação não é nova

Esta não é a primeira vez que uma grande falha de CPU causa problemas. A Intel teve as famosas falhas Meltdown/Spectre em muitos de seus processadores – e a AMD também foi parcialmente afetada – que permitiam que invasores lessem a memória do sistema e obtivessem informações valiosas, como senhas e chaves de criptografia.

Ao tentar resolver o problema com atualização de firmware, a Intel inadvertidamente tornou os sistemas quase inutilizáveis, causando reinicializações espontâneas e problemas de instabilidade.

Em seguida, emitiu diretriz para todos os envolvidos na cadeia de suprimentos de seus chips, incluindo os usuários finais, para não fazer o download da atualização.

Mais recentemente, tanto a Intel quanto a AMD foram encontradas com outro problema de segurança em seus respectivos produtos, semelhante ao Meltdown e Spectre, chamado de Retbleed, que permitia que hackers acessassem a memória do kernel. Novamente, corrigir esse problema inevitavelmente resulta em redução no desempenho dos chips.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!