Um caso envolvendo imagens feitas por IA chocou uma pequena cidade na Espanha. Fotos de adolescentes nuas foram espalhadas entre moradores do vilarejo Almendralejo, na província de Badajoz. Todas as fotos foram feitas artificialmente. Os suspeitos são jovens menores de idade, que podem ter extorquido uma das vítimas para evitar o compartilhamento do conteúdo.

Leia mais:

O que aconteceu

Fotos de mais de 20 meninas com idades entre 11 e 17 anos nuas começaram a circular na internet e em grupos de WhatsApp e Telegram dos moradores do vilarejo e suas imediações, no sudoeste da Espanha.

As fotos são falsas e foram criadas usando um aplicativo de inteligência artificial (IA), tendo como base imagens das meninas totalmente vestidas, algumas retiradas das suas próprias redes sociais.

publicidade

Repercussão

  • A mãe de uma das meninas falou em entrevista à BBC sobre o caso. Segundo María Blanco Rayo, sua filha de 14 anos contou que viu imagens dela mesma circulando nas redes sociais, mas que as fotos eram falsas e que isso estava acontecendo com outras meninas da mesma escola.
  • María Blanco Rayo disse que a filha está bem, mas que algumas meninas se recusam a sair de case.
  • Pais de 28 meninas se reuniram em um grupo de apoio.
  • Já a mãe de outra vítima, Miriam Al Adib Mendiri, uma ginecologista com um perfil de Instagram famoso, usou a rede social para falar sobre o assunto da IA.
  • Ela revelou algumas das preocupações dos pais, como se as imagens teriam caído em sites de pornografia, e tentou tranquilizar as vítimas.
  • “Nos crimes de natureza sexual, a vítima muitas vezes fica envergonhada e se esconde, sentindo-se responsável pelo que aconteceu. Então, eu queria passar esse recado: a culpa não é sua”, publicou.
Almendralejo é um município com cerca de 33 mil habitantes no sudoeste da Espanha (Foto: joserpizarro/Shutterstock)

Investigação e lei para imagens de IA

A polícia está investigando o caso e, de acordo com a imprensa espanhola, pelo menos 11 jovens da região, com idades entre 12 e 14 anos, foram apontados como responsáveis pela criação e circulação das imagens de IA. Ainda, as autoridades estariam investigando uma suposta tentativa de extorsão a uma das meninas, pedindo pagamento em troca da não divulgação das fotos artificiais.

A idade mínima para julgamento na Espanha é 14 anos e a lei não cobre criação de imagens de natureza sexual. No entanto, o crime pode ser considerado como criação de pornografia infantil ou violação das leis de privacidade.

Segundo Javier Izquierdo, chefe da proteção infantil na unidade de crimes cibernéticos da polícia nacional espanhola, em entrevista a jornalistas, a maior preocupação é que, agora, esses crimes não são mais exclusivos a “caras que baixam pornografia infantil da Dark Web”, mas se estende até a menores de idade com acesso precoce à tecnologia.