O acordo de US$ 68,7 bilhões da Microsoft pela aquisição da gigante dos games Activision Blizzard foi aprovado por reguladores do Reino Unido nesta sexta-feira, 13 de outubro, após meses de disputa regulatória.

O que aconteceu

  • A Autoridade de Concorrência e Mercados britânia (ou CMA na sigla em inglês) concluiu que o negócio pode prosseguir no novo molde proposto pela Microsoft.
  • A empresa reestruturou recentemente o acordo para transferir direitos de jogos em nuvem (atuais e novos) da Activision para a Ubisoft. 
  • O sinal verde da CMA abre caminho para o fechamento do negócio.
  • “A CMA decidiu dar consentimento à Microsoft Corporation (Microsoft) para adquirir a Activision Blizzard, Inc. (Activision)”, diz o comunicado oficial dos reguladores.
  • As informações são do The Verge.
“Aprovamos o novo acordo para a Microsoft comprar a Activision”, diz a postagem da CMA no X.

Leia mais:

Com a venda dos direitos da Activision para a Ubisoft, garantimos que a Microsoft não possa dominar este mercado importante e em rápido desenvolvimento. Esta intervenção garantirá que as pessoas obtenham preços mais competitivos, melhores serviços e mais opções

Sarah Cardell, CEO da CMA

Microsoft celebrou a decisão

O presidente da Microsoft, Brad Smith, disse em postagem no X (antigo Twitter) que a empresa saúda a decisão: “Agora superamos o obstáculo regulatório final para fechar esta aquisição que beneficiará jogadores e a indústria de jogos em todo o mundo”.

Os últimos rumores dizem que a Microsoft pode selar a aquisição ainda nesta sexta. Vale lembrar que prazo do acordo de fusão entre as empresas vai até 18 de outubro, próxima quarta-feira.

publicidade

O CEO da Activision Blizzard, Bobby Kotick, também enviou um e-mail aos funcionários anunciando a notícia. “Estamos entusiasmados com nosso próximo capítulo junto com a Microsoft e com as infinitas possibilidades que ele cria para nossos jogadores”.

A decisão da CMA chega meses após o órgão inicialmente bloquear o negócio da Microsoft em abril. A empresa recorreu da decisão e abriu caminho para um novo acordo reestruturado que no fim resolveu as preocupações de concorrência das autoridades. 

Entre as obrigações da Microsoft com a Comissão Europeia está a permissão para que consumidores da UE transmitam por “qualquer serviço de streaming de jogos em nuvem de sua escolha” todos os títulos atuais e futuros da Activision Blizzard para PC e console.

A Microsoft também não controlará os direitos de jogos em nuvem da Activision Blizzard fora da UE. A Ubisoft adquirirá esses direitos por 15 anos, permitindo que a editora licencie títulos de volta para serem incluídos, por exemplo, no serviço Xbox Cloud Gaming.