Dados internos da Microsoft revelam que o Windows 11 é usado em mais de 400 milhões de dispositivos desde o lançamento em 2021. O resultado parece positivo, mas o sistema ainda perde feio do Windows 10 quando o assunto é ritmo de adoção. 

O que você precisa saber

  • A informação foi divulgada pelo Windows Central, que alega ter visto documentos da empresa.
  • O Windows 11 deve rodar em 500 milhões de dispositivos até o início de 2024, mas os sinais apontam para uma adoção muito mais lenta que a do Windows 10.
  • Um levantamento da Statcounter também mostra que o Windows 11 responde por apenas 25% de participação no mercado, ainda muito atrás dos mais de 70% do Windows 10.

Leia mais:

Para efeito de comparação, o Windows 10 atingiu 400 milhões de dispositivos ativos pouco mais de um ano após o lançamento em 2015 — uma taxa de adoção 115% mais rápida que a do Windows 7, afirma a Microsoft. 

O sistema mais atual levou o dobro do tempo para atingir a mesma taxa de adoção. Enquanto isso, o Windows 10 atingiu 600 milhões de dispositivos meses após seu aniversário de dois anos e 1 bilhão de dispositivos em março de 2020.

publicidade

A Microsoft nunca compartilhou oficialmente quantos dispositivos ativos estão executando o Windows 11. Segundo dados de abril de 2022, mais de 1,4 bilhão de dispositivos ativos mensais executavam alguma versão do Windows 10 ou Windows 11.

O que explica o atraso

A Microsoft lançou o Windows 11 em outubro de 2021 com requisitos mais exigentes de hardware. O sistema só é compatível com processadores lançadas a partir de 2018 e dispositivos com chips de segurança TPM 2.0, por exemplo. 

A empresa justificou que as mudanças vieram para reforçar a segurança do Windows, porém, os requisitos deixaram muitas máquinas de fora da atualização.

E o Windows 12?

Rumores também apontam que a Microsoft deve lançar uma nova versão do Windows em 2024. Referências do sistema apelidado de Windows 12 já apareceram em documentos da Intel.

Por enquanto, a Microsoft não anunciou nada oficialmente, mas há sinais de que a versão futura do Windows será focada em mais recursos de IA.