Quando a tumba de Tutancâmon, o faraó mais famoso do Egito, foi encontrada lacrada, em 1922, uma infinidade de tesouros foi descoberta em seu interior. Entre os artefatos, havia um punhal feito de ferro de meteorito.

O objeto passou por uma série de análises, como espectrometria portátil de fluorescência de raios-x, que revelaram a origem de sua matéria-prima. Mas, será que os antigos egípcios sabiam que aquelas rochas usadas na produção dessas ferramentas vinham do céu?

Um artigo publicado este mês na revista Sapiens, pela egiptóloga Victoria Almansa-Villatoro, da Universidade de Harvard, sugere que sim. A pesquisa, feita com base na análise de textos de hieróglifos egípcios de mais de 3,3 mil anos, aponta que a pista está na palavra usada para representar “ferro”.

Esta palavra seria “bi-An-pt”, que, em tradução literal, significa “ferro do céu”, vindo posteriormente a ser usada para se referir a qualquer tipo de material metálico.

publicidade
O mais antigo objeto metálico conhecido do Egito antigo: uma conta de ferro de meteorito ecnotrada em um cemitério pré-histórico. Crédito: Diane Johnson/Museu de Manchester

Diane Johnson, pesquisadora envolvida na investigação científica sobre o ferro do Antigo Egito, disse ao site The Conversation que não se sabe exatamente porque essa expressão surgiu, mas acredita-se que tenha sido devido a um grande evento de impacto ou uma grande chuva de meteoritos.

Tutancâmon foi rei do Egito entre os anos de 1332 e 1323 a.C., mas a adaga é anterior a esse período, tendo pertencido a seu avô, o faraó Amenófis III, que governou o país 20 anos antes dele.

Amenófis III, por sua vez, ganhou a arma do rei Tushratta de Mitanni como dote de casamento, o que coloca a origem do objeto para antes do ano de 1358 a.C.

Segundo o artigo de Almansa-Villatoro, as referências que ligam o ferro ao céu são bem mais antigas do que o reinado de Amenófis III, com registros nas paredes das pirâmides de reis e rainhas que viveram até 4.400 anos atrás sugerindo relações espirituais com os meteoritos.

Leia mais:

Textos das piramides e o ferro de meteoritos

Os textos das pirâmides fornecem registro que relacionam o céu ao ferro e a meteoritos (Crédito: Victoria Almansa Villatoro)
Os textos das pirâmides fornecem registro que relacionam o céu ao ferro e a meteoritos (Crédito: Victoria Almansa Villatoro)

De acordo com a pesquisadora, os registros nas pirâmides “apresentam o céu como uma tigela de ferro contendo água, cujos pedaços podem cair na Terra como meteoritos ou chuva”. Ela ainda acrescenta que “ferro e céu são intercambiáveis ​​nos textos, razão pela qual as passagens descrevem o morto navegando no ferro e o rei precisando quebrar uma barreira de ferro para alcançar o céu”.

Existem outros sinais de que os antigos egípcios sabiam que os meteoritos vinham do céu. Na época, acreditava-se que depois que os reis morriam, eles renasciam nas águas do ventre da deusa Nut, e o sinal usado para “útero” e “água” é o mesmo que indica “ferro”.

O que poderia inicialmente ser descartado como associações aleatórias e irrelevantes de mentes ‘não científicas’ que descrevem metais, mulheres e água acaba por ser um subproduto de uma interpretação cientificamente correta da proveniência do ferro meteorítico. No Egito, há 4.400 anos, a palavra ferro poderia significar simplesmente céu porque os egípcios sabiam que o ferro fazia parte do céu.

Victoria Almansa-Villatoro, egiptóloga

Esses argumentos encontram algumas resistências entre a comunidade científica, já que testemunhar impactos de meteoritos é algo raro. Mas, talvez, os antigos egípcios tenham visto eventos do tipo, como o impacto do meteorito Gebel Kamil, que atingiu o sul do Egito acerca de cinco mil anos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!