No início deste mês, o sistema de refrigeração de um módulo russo da Estação Espacial Internacional (ISS) apresentou um significativo vazamento de gás. Conforme noticiado pelo Olhar Digital, dois cosmonautas (designação para astronautas da Rússia) fizeram uma caminhada espacial nesta quarta-feira (25) para inspecionar o compartimento pelo lado de fora.

Vamos entender:

  • Em 9 de outubro, um vazamento de gás foi detectado no Módulo de Laboratório Multiuso Russo Nauka (MLM) na Estação Espacial Internacional;
  • Na ocasião, flocos de amônia tóxicos escaparam em grande volume do radiador de Nauka;
  • O incidente está sob investigação;
  • A Roscosmos, agência espacial russa, designou dois cosmonautas para examinar de perto o radiador de 13 anos reaproveitado do antigo módulo Rassvet, de onde o vazamento teria se originado.

Com transmissão ao vivo pelas plataformas digitais da NASA, pouco antes das 15h (pelo horário de Brasília), Oleg Kononenko e Nikolai Chub iniciaram a caminhada espacial, que além de inspecionar o radiador defeituoso, também tinha por objetivo instalar um sistema de comunicação de radar sintético no módulo Poisk e lançar um nanossatélite para testar a tecnologia de vela solar. 

A caminhada espacial russa desta quarta-feira (25) foi realizada pelos cosmonautas Oleg Kononenko e Nikolai Chub. Crédito: Andrey Shelepin/NASA

Corda de contenção contaminada pela amônia

Eles começaram pela atividade mais crítica – a verificação do vazamento. Kononenko chegou tão perto da crescente “bolha” ou “gota” (como o escape de amônia foi descrito por ele), que uma de suas amarras foi contaminada, exigindo que fosse ensacada e deixada fora do laboratório orbital quando os trabalhos foram concluídos.

publicidade

Após isolar e fotografar o radiador, usado como backup para um radiador de corpo principal que regula a temperatura dentro do módulo Nauka, Kononenko e Chub configuraram uma série de válvulas para cortar o suprimento de amônia do dispositivo.

Os cosmonautas Oleg Kononenko e Nikolai Chub inspecionam um radiador externo no módulo de laboratório multiuso Nauka durante uma caminhada espacial na quarta-feira (25). Crédito: NASA TV

Kononenko relatou ter visto uma série de pequenos buracos na superfície dos painéis do radiador. “Os buracos têm bordas muito uniformes, como se tivessem sido perfurados”, disse o cosmonauta por rádio aos controladores da missão em Moscou. “São muitos. Eles estão espalhados de forma caótica”.

Leia mais:

Investigação do vazamento continua em solo

Os engenheiros russos em solo vão usar os dados coletados pelos cosmonautas para ajudar a determinar a causa do vazamento e quais medidas podem ser tomadas para recolocar o radiador em uso no futuro.

Sabendo que poderiam entrar em contato com o líquido de arrefecimento, Kononenko e Chub foram preparados com panos para limpar seus trajes espaciais e ferramentas para não levar nenhum material tóxico para dentro da estação.

Finalizada esta etapa, a dupla seguiu com os demais trabalhos programados para o dia. Depois de 7 horas e 41 minutos, a caminhada espacial chegou ao fim com a escotilha sendo fechada para o bloqueio do módulo Poisk às 22h30.