Dois astronautas fizeram a primeira caminhada espacial de 2023 na parte externa da Estação Espacial Internacional (ISS) nesta sexta-feira (20).

Realizada pelos engenheiros de voo Nicole Mann, da NASA, e Koichi Wakata, da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA), a atividade extraveicular começou às 10h15 da manhã (pelo horário de Brasília), se estendeu cerca de sete horas.

Pouco depois do início dos trabalhos, o perfil oficial da ISS no Twitter divulgou um vídeo mostrando o nascer do Sol sobre o oceano Pacífico gravado pelos astronautas – e as imagens são incríveis; confira:

Os dois astronautas “trabalharam na extremidade da estrutura de treliça de estibordo da estação em suas UEM e instalaram um kit de modificação que permitirá a futura instalação de um painel solar de implantação”, diz um comunicado da agência espacial norte-americana. 

publicidade

UEM é a abreviação em inglês para “Unidade de Mobilidade Extraveicular”, o tipo de traje espacial volumoso que eles utilizam nesse tipo de atividade.

Koichi Wakata, da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA), e Nicole Mann, da NASA, fizeram a primeira caminhada espacial do ano na Estação Espacial Internacional (ISS). Imagem: NASA TV

A caminhada espacial desta sexta-feira representou mais uma etapa do trabalho contínuo para instalar seis painéis solares de implantação da ISS (iROSAs), que são projetados para aumentar a fonte de alimentação do laboratório orbital.

Agora, foram instalados todos os seis iROSAs planejados até o momento. Quando todos estiverem operacionais, a potência da estação espacial aumentará de 20% a 30%, segundo a NASA.

Leia mais:

Retorno de astronautas à Terra vai demorar

Wakata e Mann chegaram à ISS em outubro, na missão Crew-5 da SpaceX, juntamente com Josh Cassada, da NASA, e a cosmonauta russa Anna Kikina.

Atualmente, o quarteto compartilha as instalações da ISS com outros três tripulantes – o astronauta da NASA Frank Rubio e os cosmonautas Sergey Prokopyev e Dmitry Petelin. Os três chegaram lá em setembro a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-22, que sofreu um vazamento no sistema de refrigeração no mês passado após uma colisão de um micrometeoroide.

Frank Rubio, astronauta da NASA, e seus companheiros russos da missão Soyuz MS-22 Sergey Prokopyev e Dmitri Petelin. Imagem: Roscosmos

A agência espacial da Rússia, Roscosmos, planeja lançar uma Soyuz não tripulada para o laboratório em órbita em fevereiro para trazer Rubio, Prokopyev e Petelin de volta para casa – o que não deve acontecer tão cedo.

“O plano é que Frank, Dimitri e Sergey continuem a bordo por mais alguns meses até voltarem para casa, provavelmente no fim de setembro”, disse Dina Contella, gerente de integração de operações da ISS na NASA, durante uma coletiva de imprensa na terça-feira (17). 

E por que isso? Embora a missão Crew-6, da SpaceX, também deva ser lançada em fevereiro, levando mais quatro astronautas para a ISS, os tripulantes da Crew-5 retornarão à Terra alguns dias depois disso. 

Como dito, a próxima Soyuz será lançada sem tripulação para trazer os membros da MS-22 para a Terra. Se Rubio, Prokopyev e Petelin retornassem de imediato nesse veículo, a ISS ficaria com falta de pessoal até que uma nova missão Soyuz tripulada pudesse ser preparada para a decolagem.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!