O avanço das superbactérias e da resistência antimicrobiana é causado por combinação de fatores, como o uso inadequado de antibióticos e ausência de medidas de controle de infecções em ambientes de saúde.

Para combater essa propagação, pesquisadores da Universidade de Tecnologia Sydney (UTS) (Austrália) sugeriram abordagem multifacetada de “One Health” – conceito que une os cuidados humano, animal e do meio ambiente – com base em tecnologias genômicas combinadas com inteligência artificial (IA)

Leia mais:

A natureza evolutiva da resistência antimicrobiana torna-a ameaça em constante mudança e evolução. Não existe solução fácil, mas a vigilância genômica contínua pode nos ajudar a compreender melhor e a mitigar este desafio de saúde global.

Steven Djordjevic, líder do estudo

A tecnologia genômica se refere ao conjunto de ferramentas e técnicas usadas para estudar e analisar o genoma de um organismo. O genoma é o conjunto completo de material genético de um organismo, contendo todas as informações genéticas que determinam suas características e funções.

publicidade

A iniciativa

Em publicação no site da UTS, os pesquisadores sugeriram algumas iniciativas para serem adotadas de forma coletiva entre os países. Entre elas:

  • Desenvolver programa nacional vigilância da resistência antimicrobiana, como o One Health – utilizando os dados como base da análise genômica;
  • Melhorar a capacidade laboratorial de países de rendas média e baixa;
  • Aumentar a conscientização e a educação sobre resistência antimicrobiana e promover a colaboração entre nações;
  • Reforçar a regulamentação e a supervisão na agricultura e melhorar a administração de antibióticos.

A utilização da tecnologia da genômica microbiana no contexto de integração eficaz de dados intersetoriais melhorará a compreensão da emergência e propagação da resistência antimicrobiana dentro e entre estes setores e identificará intervenções específicas.

Ben Howden, professor da Universidade de Melbourne

“A natureza evolutiva da resistência antimicrobiana a torna ameaça em constante mudança e evolução. Não existe solução fácil, mas a vigilância genomica contínua pode nos ajudar a compreender melhor e a mitigar este desafio de saúde global”, disse Djordjevic.

Jovem de 14 anos cria sabonete para combater câncer de pele

Só no Brasil, o câncer de pele representa 33% dos casos da doença, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia. Nos Estados Unidos, um menino de 14 anos criou um protótipo de sabonete que ajuda no combate da doença e custaria menos de US$ 10 (ou seja, menos de R$ 50). Na prática, o produto reativa a capacidade das células mortas pelo câncer de se protegerem e curarem.

Leia a matéria completa aqui