A grande parte dos planetas existentes no Universo orbitam uma estrela. Eles são parte de sistema de planetas e são similares ao nosso Sistema Solar, no qual os planetas, como a Terra, orbitam o Sol, nossa estrela.

Contudo, existem alguns planetas que vagam sozinhos e sem rumo no cosmos. Por alguma razão, seja uma colisão próxima ou perturbações gravitacionais lentas que desestabilizam sua órbita, esses planetas são “expulsos” de seus respectivos sistemas solares e vagam à deriva.

Leia mais:

Esses planetas “rebeldes” são notoriamente difíceis de se encontrar, mas, conforme os astrônomos vão descobrindo-os, eles tomam ciência de que tais planetas são mais comuns do que se pensava.

publicidade

Para um sistema planetário com apenas uma estrela como o nosso, um mundo pode tanto precisar de uma colisão próxima para ser “expulso” do sistema solar, ou de um conjunto de mundos próximo para gradualmente desestabilizá-lo.

Sabe-se, pela evolução de nosso Sistema Solar, que os planetas mudaram significativamente suas órbitas (e continuam mudando). E sabemos que a Terra e a Lua se formaram quando um mundo do tamanho de Marte chocou-se com nosso planeta quando era novo, então, planetas “rebeldes” podem vir de sistemas como o nosso.

Mas simulações mostram que o número de mundos neste estilo que uma estrela solitária produz é relativamente pequena.

Solitários

  • Um novo estudo, publicado no servidor de pré-impressão arXiv, pode ter solucionado a origem desses planetas;
  • Segundo o Phys.org, a equipe da pesquisa focou em sistemas estelares binários, especificamente nos inclinados, onde o plano orbital do sistema planetário de cada estrela é deslocado do outro;
  • Eles rodaram simulações computacionais desses tipos de sistemas, tanto quando as estrelas binárias orbitam umas às outras em trajetória bem circular, quanto quando têm trajetória altamente elíptica;
  • Depois, compararam os resultados com os de sistemas estelares únicos.

Ilustração da formação de sistema binário inclinado observado pelo telescópio ALMA (Imagem: ESO/NAOJ/NRAO)

Descoberta

Eles descobriram que, enquanto sistemas planetários com apenas uma estrela precisam estar pouco espaçados para criar um mundo solitário, em sistemas de planetas binários, podem ser bem-espaçados e, ainda assim, gerarem “rebeldes”.

A combinação de rebocadores gravitacionais de ambas as estrelas e outros mundos é o bastante para desestabilizar as órbitas dos planetas menores. Com base nas simulações, se as duas estrelas tiverem órbita circular, então, a presença de um mundo do tamanho de Netuno é suficiente para gerar mundos “rebeldes”.

Se as estrelas binárias orbitam umas às outras em órbita elíptica, então, a presença de uma super-Terra é o bastante para gerar planetas “rebeldes”.

Muitos desses mundos descobertos até hoje foram modelos gasosos bem largos. Dado o quão comum que as super-terras estão ao redor de estrelas-anãs vermelhas, a Via Láctea pode ser preenchida com pequenos e rochosos planetas “rebeldes”. O desafio será encontrá-los no Espaço interestelar escuro e frio.