Na terça-feira (7), a Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO) anunciou que o instrumento High Energy L1 Orbiting X-ray Spectrometer (HEL1OS), da sonda solar Aditya-L1, detectou a fase impulsiva de uma erupção de alta energia no Sol pela primeira vez.

Sobre a sonda solar Aditya-L1:

publicidade
  • Trata-se do primeiro observatório solar da Índia;
  • A espaçonave foi lançada em setembro;
  • “Aditya” é o nome do Sol em sânscrito, e “L1” é a sigla de “1º Ponto de Lagrange”, em referência à área no céu onde o equipamento vai orbitar entre a Terra e o Sol;
  • Essa região fica a 1,5 milhão de quilômetros da Terra, de onde o observatório terá uma visão ininterrupta do astro;
  • É neste mesmo lugar que orbita o Observatório Solar e Heliosférico (SOHO), um satélite da NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA) que estuda a atividade solar desde 1996.

Os Pontos de Lagrange são localizações no espaço onde os campos gravitacionais de dois corpos maciços estão em equilíbrio com a força centrífuga de um terceiro objeto, cuja massa é desprezível em relação a eles (por exemplo, um telescópio espacial em relação à Terra e ao Sol). Estar em equilíbrio significa que as forças se cancelam. Uma espaçonave em um desses pontos pode permanecer na posição quase sem gastar combustível.

Qual é o objetivo da sonda Aditya-L1

Embora o Sol seja estudado há muito tempo, os astrônomos ainda não compreendem totalmente como sua camada atmosférica mais externa, conhecida como coroa, fica tão quente – sendo um milhão de graus Celsius mais quente do que a superfície da estrela. 

publicidade

Pouco se sabe sobre o que acontece antes das explosões solares e da liberação de enormes nuvens de plasma chamadas ejeções de massa coronal (CMEs) para o espaço – às vezes, em direção à Terra. Também se desconhece como as CMEs aceleram a tão altas velocidades perto do disco solar.

Leia mais:

publicidade

Segundo a ISRO, espera-se que o observatório Aditya-L1 forneça algumas pistas sobre esses mistérios de décadas. E isso já pode estar começando a acontecer, afinal, a sonda acaba de captar sua primeira ignição de erupção solar. De acordo com a agência, a explosão ocorreu em 29 de outubro, entre 9h e 19h (pelo horário de Brasília), menos de dois meses depois que a espaçonave foi lançada.

Dados obtidos pelo Satélite Ambiental Operacional Geoestacionário 18 (GOES-18), da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos EUA, também apontaram um aumento nos raios-X na mesma região, ao mesmo tempo.

publicidade
Registro de erupções solares ocorridas em 29 de outubro entre 0h e 23h59 (UTC – Horário Universal)

Aditya-L1 carrega sete instrumentos científicos, que lhe permitem estudar tudo, desde o campo magnético interplanetário até a coroa solar. Um deles é o HEL1OS, que se concentra nas emissões de raios-X de explosões solares – o responsável pela observação inaugural. 

Com os dados obtidos por esse instrumento, os cientistas esperam entender como as emissões de alta energia de uma erupção solar estão ligadas aos elétrons e outras partículas liberadas durante esses eventos.

Embora tenha feito seu primeiro grande trabalho, o HEL1OS ainda não está totalmente operacional. Os cientistas continuam a ajustar e calibrar o instrumento, nesta fase de comissionamento.