No centro de uma batalha na Justiça entre duas gigantes da tecnologia, a Valeo – multinacional europeia fornecedora de produtos automotivos – acusa a Nvidia de se beneficiar do roubo de segredos comerciais cometido por seu ex-funcionário, Mohammad Moniruzzaman.

Para quem tem pressa:

  • A Valeo acusa a Nvidia de se beneficiar do roubo de segredos comerciais por parte de seu ex-funcionário, Mohammad Moniruzzaman, agora empregado pela Nvidia;
  • Durante uma chamada de vídeo, em março de 2022, Moniruzzaman acidentalmente mostrou parte do código-fonte da Valeo durante uma apresentação para um projeto de assistência para estacionamento;
  • A ação judicial da Valeo alega que Moniruzzaman baixou ilegalmente o código-fonte dos sistemas avançados da empresa para assistência ao estacionamento e direção, além de documentos explicativos;
  • Após uma investigação na Alemanha, Moniruzzaman admitiu o roubo, resultando em condenação e multa. A Nvidia nega interesse no código roubado e afirma ter tomado medidas rápidas para proteger os direitos do cliente.
  • A Valeo busca compensação financeira substancial e uma liminar para impedir que a Nvidia utilize ou compartilhe os segredos comerciais. O julgamento com júri ainda não tem data definida.

O caso veio à tona após Moniruzzaman, agora empregado pela Nvidia, inadvertidamente compartilhar parte do código-fonte da Valeo durante uma chamada de vídeo no Teams, da Microsoft.

publicidade

Leia mais:

Valeo x Nvidia

Ilustração digital de GPU da Nvidia
(Imagem: Divulgação/Nvidia)

O deslize ocorreu em março de 2022, durante uma chamada com funcionários da Nvidia e Valeo para um projeto de assistência ao estacionamento. Ao minimizar sua apresentação, Moniruzzaman expôs um arquivo de código-fonte da Valeo. Os participantes da Valeo tiraram uma captura de tela antes que Moniruzzaman pudesse corrigir o erro, resultando na revelação do suposto roubo.

publicidade

A ação judicial da Valeo alega que Moniruzzaman baixou ilegalmente todo o código-fonte dos sistemas avançados de assistência ao estacionamento e direção da Valeo, além de diversos documentos explicativos. A investigação subsequente na residência do acusado, conduzida pela polícia alemã, descobriu hardware e documentação da Valeo, fortalecendo as acusações.

Moniruzzaman admitiu o roubo quando confrontado pela polícia alemã, resultando numa condenação, em setembro, e uma multa de 14,4 mil euros (aproximadamente R$ 77 mil). A Nvidia, no entanto, nega ter interesse no código roubado e assegura ter tomado medidas rápidas para proteger os direitos de seu cliente.

publicidade

O código, segundo Moniruzzaman, estava armazenado localmente e não foi compartilhado com outros funcionários da Nvidia. Apesar da condenação na Alemanha, a Valeo busca uma compensação financeira substancial e uma liminar para impedir que a Nvidia utilize ou compartilhe seus segredos comerciais.

A empresa alega que, mesmo se o código for removido após edições extensas, é “irrealista” pensar que toda a influência desapareceu. O julgamento com júri ainda não tem data definida, deixando as duas empresas em suspense enquanto o litígio se desenrola.